O QUE NÃO SABEMOS NÃO EXISTE.
"Quando Creonte lhe diz “tu és a única, em Tebas, a defender tais opiniões”, Antígona responde com grande lucidez:
"-TODOS OS QUE ME OUVEM OUSARIAM CONCORDAR COMIGO SE O MEDO NÃO LHES FECHASSE A BOCA."
Pensar sempre foi considerado conspiração. Este blogue é parte do inadiável processo de novas escolhas na minha permanente ressonante infinita faxina espiritual. Nosso mundo é o que supomos conhecer, bendita Internet. Perceber e compreender faxinando os programas de jogos de memórias escravagistas que estão milenarmente sabotando a sanidade de nossas existências é a nossa única saída... Nada, religião alguma, lei alguma substituirá a consciente responsabilidade (100%) dos julgamentos, escolhas e decisões de cada um de nós. Ninguém virá nos salvar da escravidão... Só podemos escolher entre o medo catabólico e a gratidão anabólica ao afeto incondicional. Onde há amor não há perdão. A verdadeira maravilhosa revolução é intrapessoal, urgente e intransferível. Nós somos os deuses amorosos pelos quais temos esperado. Somos almas. Mantenhamo-nos na vibração da fé no afeto incondicional, todos os espíritos corações e mentes estamos interconectados na Teia Cósmica.
"O SISTEMA" É PSICOPÁTICO, ALIENÍGENA, INUMANO, PEDÓFILO, ANTROPOFAGICAMENTE CORRUPTO E ESCRAVISTA POR NATUREZA. SÃO "DIABÓLICOS". TODAS AS UTOPIAS HUMANITÁRIAS SÃO CONCESSÕES TÁTICAS DENTRO DA MILENAR ESTRATÉGIA ESCRAVAGISTA.
http://www.artmajeur.com/aldoluiz/
Em tempo; amanajé ré significa mensageiro amigo em tupi guarani.

Compartilhemos

Share |

quarta-feira, 12 de maio de 2010

O IMPÉRIO INVISÍVEL QUE AVANÇA SOBRE NÓS...

Sua televisão não vai mostrar este big brother...



Veja todo o documentário no Youtube.
 OU ASSISTA TUDO AQUI


Sinto muito, te amo, sou grato.

ENQUANTO ISSO...

Brasil utiliza 1 milhão de toneladas de agrotóxicos

You are missing some Flash content that should appear here! Perhaps your browser cannot display it, or maybe it did not initialize correctly.

(1’25”/ 335 kb) - Pela primeira vez, o consumo de agrotóxicos nas lavouras brasileiras atingiu a marca de 1 milhão de toneladas em um único ano. Todo esse volume foi comercializado em 2009 e teve um crescimento de pouco mais de 7,5%, em relação ao ano de 2008.
De acordo com o Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para a Defesa Agrícola (Sindag), os herbicidas foram os mais vendidos em 2009, representando 60% do mercado de agentes químicos. Na produção da soja, foram utilizadas quase 130 mil toneladas de fungicidas, o que permitiu um faturamento de US$ 1,8 bilhão para o setor.
O ambientalista Henrique Cortez defende o uso responsável de agentes químicos e um novo modelo de desenvolvimento, focado na promoção da agroecologia.
“Tem que ter uma visão estratégica do desenvolvimento, que não é esse modelo que temos hoje. Pode mudar se começarmos a investir em processos agro-ecológicos, se a produção agrícola ficar mais responsável, se a agricultura orgânica for incentivada, subsidiada. Portanto, é uma decisão política que pouca gente teria coragem de tomar.”
Durante a safra 2009/2010, os solos cultivados no Brasil receberam 22 quilos de agrotóxicos por hectare.
De São Paulo, da Radioagência NP, Jorge Américo.
10/05/10

Governo vai disponibilizar R$ 100 bi para o agronegócio

You are missing some Flash content that should appear here! Perhaps your browser cannot display it, or maybe it did not initialize correctly.

(1'59'' / 466 Kb) - O governo pretende destinar aproximadamente R$ 120 bilhões em crédito para o Plano Agrícola e Pecuário da safra de 2010/2011, de acordo com o ministro da Agricultura, Wagner Rossi. Somente à agricultura empresarial estão previsto cerca de R$ 100 bilhões. Os valores seguem proporções semelhantes aos da safra de 2009/2010, quando foram destinados R$ 93 bilhões para o agronegócio e R$ 15 bilhões para a agricultura familiar.
Para o secretário-geral da ABRA (Associação Brasileira de Reforma Agrária), Juca Juliano, a repartição dos recursos desta forma reafirma a opção do governo pela agricultura empresarial.
“Essa proporção de crédito reafirma a opção governamental pelo agronegócio. Existe a pequena e a grande política e a reforma agrária é pequena política. Tanto a pequena produção familiar quanto os assentamentos de reforma agrária consideram a política do governo fraca, pífia.”
Os recursos do governo devem impulsionar às monoculturas de cana-de-açúcar, soja, eucalipto, além da pecuária. Juca critica essa opção.
“Grandes culturas expulsam gente, poluem, etc, [mas] nós estamos caminhando pra isso: eucalipto, cana, pecuária. Ou seja, o Brasil está especializado em produtos de baixo valor agregado. A forma de integração à globalização e aos mercados mundiais é periférica e subalterna. No meu modo de ver, isso reduz muito às perspectivas de um futuro independente.”
Projeções do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) mostram enquanto a produção de soja desta safra deve crescer 19% em comparação a 2009, a produção de arroz recuará quase 9,7%.
De São Paulo, da Radioagência NP, Aline Scarso.
06/05/10

Privatizada há 13 anos, Vale viola direitos em 30 países

You are missing some Flash content that should appear here! Perhaps your browser cannot display it, or maybe it did not initialize correctly.

(7’18”/ 1,67 Mb) - Fundada em 1942 e privatizada em maio de 1997, a mineradora Vale transformou-se em símbolo da política neoliberal implementada pelo governo Fernando Henrique Cardoso (FHC). A estatal foi adquirida pela iniciativa privada pelo valor de US$ 3,4 bilhões. Atualmente, o valor de mercado passa de US$ 140 bilhões, valor quarenta vezes maior que o preço de sua venda.
Somente no ano de 2009, a Vale teve um lucro líquido de mais de US$ 5 bilhões. Em contrapartida, sua ação exploratória em aproximadamente 30 países em que atua está provocando conflitos sociais e ambientais.
A semelhança das ocorrências nos diversos países onde a Vale atua fez com que 80 organizações, presentes nos cinco continentes, organizassem o Movimento Internacional dos Atingidos pela Vale.
Com a mobilização, foi criado um dossiê, que demonstra a ação devastadora da empresa. O documento foi entregue à Organização das Nações Unidas (ONU) e à Organização dos Estados Americanos (OEA) no final de março deste ano.
Em entrevista à Radioagência NP, a economista Karina Kato, integrante do Instituto Políticas Alternativas para o Cone Sul, defende a anulação do leilão da Vale e fala sobre a tensão social nos territórios atingidos pela multinacional brasileira.
Radioagência NP: Karina, o que consta neste  “Dossiê dos Impactos e Violações da Vale no Mundo”  que foi enviado para os organismos internacionais?
 Karina Kato: No Peru, teve um caso de um funcionário de uma subsidiária da Vale que foi condenado por tentativa de homicídio. A Vale está entrando lá para a constituição de milícias armadas. São denúncias parecidas com aquelas que ouvimos aqui, na Baía de Cepetiba, onde está sendo construída a Companhia Siderúrgica do Atlântico. Enfim, são várias violações  de direitos humanos, casos de destruição do meio ambiente. Por isso, esse dossiê foi apresentado como um documento que prova essas violações cometidas pela vale e entregue a diversas instâncias.
RNP: No documento, a Vale é acusada de violação dos direitos humanos, exploração de trabalhadores, destruição do meio ambiente, entre outros. Como ela consegue preservar a imagem de companhia sustentável?
 KK: A Vale acaba construindo uma imagem de si que não corresponde à realidade. Nos territórios onde atua, ela possui uma imagem totalmente diferente daquela que ela vende. No entanto, ela consegue manter no imaginário social do brasileiro comum a imagem de uma empresa verde-amarela, que pertence a todos os brasileiros, o que já não é mais verdade há muito tempo, desde a privatização.
RNP: Sustentabilidade é um dos assuntos mais debatidos no momento. Como ele foi abordado na assembléia da qual participaram o movimento e os acionistas?
 KK: A Vale fez uma apresentação de como foi sua atuação em 2009. As palavras sustentabilidade, meio ambiente e comunidade não apareceram na apresentação. Era uma apresentação voltada para o mercado, vendas e exportação de commodities. Foi curioso porque os próprios acionistas cobraram isso da empresa. Questionaram as ações que estão sendo feitas acusações de violação nos territórios.
RNP: Que impactos a ação da Vale provoca nas comunidades onde ela atua?
KK: Na Tailândia tem cerca de 1.5 mil famílias de acampamentos e assentamentos que convivem com 79 fornos que produzem carvão. A produção funciona 24 horas para alimentar as indústrias da Vale. A conseqüência são problemas respiratórios, crianças que não conseguem ir ao colégio por conta da alergia e outros problemas. A mesma coisa acontece com famílias que moram perto de siderúrgicas. A violência que vitima os camponeses que se opõem às ações da empresa. A Vale é arrogante, tem uma forma muito agressiva de exploração dos recursos naturais e dos recursos humanos em todas as áreas.
RNP: A questão trabalhista também está sendo desrespeitada?
KK: Um grande exemplo dessa arrogância está na greve de nove meses, onde 3.5 mil mineiros estão parados. Um detalhe é que no Canadá os trabalhadores não recebem pelos dias parados. O sindicato contribui com 20% do salário que eles recebem. Vem de um fundo para a greve. Para se ter uma idéia, eles estão passando necessidades, alguns estão passando fome. Segundo cálculos do sindicato, se os trabalhadores aceitassem todas as exigências da Vale, a redução do custo da empresa por libra de níquel seria de cinco centavos. Seria um impacto muito grande para os trabalhadores. Em contrapartida, um impacto muito pequeno para a empresa.
RNP: O Movimento defende a anulação do leilão de privatização da Vale?
KK: Consideramos que o leilão foi ilegal, as reservas foram subvalorizadas, foram vendidas a um preço extremamente baixo. Era um patrimônio brasileiro, que passou para as mãos da iniciativa privada sem ao menos se fazer uma consulta à população. A Vale tinha um fundo que destinava 3% de sua lucratividade, que eram revertidos para as comunidades onde ela mantinha a exploração. Esse fundo foi retirado, se tornou um valor fixo, que é controlado e operacionalizado pelo BNDES.”
RNP: Como os movimentos sociais devem se organizar diante do poderio das grandes corporações?
 KK: Precisamos denunciar e dar voz a esses grupos que estão sendo impactados. É preciso articular as diferentes lutas em torno de uma luta só. Afinal, estamos lutando pelo mesmo motivo. Por condições de vida digna, por um meio ambiente saudável, por distribuição de riqueza, pela não-exploração do trabalho. Parecem lutas distintas, mas é uma luta só.
De são Paulo, da Radioagência NP, Jorge Américo.
06/05/10

Como os Iluminati controlam os políticos

http://www.youtube.com/watch?v=R9DgG_K8JgY&feature=related

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos são bem vindos, estamos aqui para compartilhar experiências que nos iluminem, mas, por força de impertinentes baixas vibrações planetárias sou obrigado a moderar os comentários. Para bons comentadores este pingo é letra. Sintam-se em casa. E muito grato pela lúcida carinhosa presença. Venham sempre que lembrarem, se gostarem divulguem, compartilhemos nossas descobertas.Sinto muito, me perdoe, vos amo, sou grato. A faxina é infinita.

Related Posts with Thumbnails