O QUE NÃO SABEMOS NÃO EXISTE.
"Quando Creonte lhe diz “tu és a única, em Tebas, a defender tais opiniões”, Antígona responde com grande lucidez:
"-TODOS OS QUE ME OUVEM OUSARIAM CONCORDAR COMIGO SE O MEDO NÃO LHES FECHASSE A BOCA."
Pensar sempre foi considerado conspiração. Este blogue é parte do inadiável processo de novas escolhas na minha permanente ressonante infinita faxina espiritual. Nosso mundo é o que supomos conhecer, bendita Internet. Perceber e compreender faxinando os programas de jogos de memórias escravagistas que estão milenarmente sabotando a sanidade de nossas existências é a nossa única saída... Nada, religião alguma, lei alguma substituirá a consciente responsabilidade (100%) dos julgamentos, escolhas e decisões de cada um de nós. Ninguém virá nos salvar da escravidão... Só podemos escolher entre o medo catabólico e a gratidão anabólica ao afeto incondicional. Onde há amor não há perdão. A verdadeira maravilhosa revolução é intrapessoal, urgente e intransferível. Nós somos os deuses amorosos pelos quais temos esperado. Somos almas. Mantenhamo-nos na vibração da fé no afeto incondicional, todos os espíritos corações e mentes estamos interconectados na Teia Cósmica.
"O SISTEMA" É PSICOPÁTICO, ALIENÍGENA, INUMANO, PEDÓFILO, ANTROPOFAGICAMENTE CORRUPTO E ESCRAVISTA POR NATUREZA. SÃO "DIABÓLICOS". TODAS AS UTOPIAS HUMANITÁRIAS SÃO CONCESSÕES TÁTICAS DENTRO DA MILENAR ESTRATÉGIA ESCRAVAGISTA.
http://www.artmajeur.com/aldoluiz/
Em tempo; amanajé ré significa mensageiro amigo em tupi guarani.

Compartilhemos

Share |

sexta-feira, 14 de maio de 2010

Caçadores de Virus – do HIV às epidemias de gripes

Caçadores de Virus – do HIV às epidemias de gripes. O que está por trás das epidemias anunciadas


Publico abaixo a tradução do prefácio escrito pelo Professor de Harven, que considero um documento contundente a nos alertar sobre os rumos da medicina atual, em especial sobre as manipulações no campo da saúde pública. Tirem as suas conclusões....... Dr Eduardo Almeida
Os grifos são do infinitoaldoluiz. 


Prefácio do livro “Virus Mania” de Torsten Engelbrecht e Claus Köhnlein escrito pelo Prof Etienne de Harven. Trafford Publishing, 2007

O livro “Virus Mania” de Torsten Engelbrecht e Claus Köhnlein nos traz uma trágica mensagem que contribuirá, felizmente, para a reinserção dos valores éticos na condução das pesquisas com vírus, nas políticas públicas de saúde, na comunicação da mídia, e na atividade da indústria farmacêutica. Obviamente, regras éticas elementares têm sido perigosamente negligenciadas em muitos desses campos, em alarmantes números de anos.

Quando a jornalista americana Celia Farber corajosamente publicou na Harper Magazine, em Março de 2006, o artigo “Fora de Controle – AIDS e a Corrupção da Ciência Médica”, alguns leitores provavelmente ficaram tentados a assumir que essa “corrupção” era um caso isolado. Isso está muito longe da verdade como podemos ver documentado nesse livro escrito por Engelbrecht e Köhnlein. É apenas a ponta do iceberg. Corrupção nas pesquisas é um fenômeno disseminado, e está cada vez mais frequente nos problemas de saúde supostamente contagiosos, indo da AIDS a Hepatite C, passando pela encefalopatia espongiforme (vaca louca), SARS, Gripe Aviária, e as práticas correntes de vacinação como a HPV.

Na pesquisa da totalidade desses seis campos distintos de interesse da saúde pública, a pesquisa científica sobre viroses (ou príons no caso da vaca louca), derrapou para trilhas erradas, seguindo basicamente o mesmo erro sistemático no caminho adotado. Esse caminho se compõe sempre de vários passos considerados chaves - a) invenção do risco de uma epidemia desastrosa; b) incriminação de um possível agente patógeno, enquanto se ignora causas alternativas sobretudo as tóxicas; c) manipulação epidemiológica com números não verificáveis para maximizar a percepção falsa de uma catástrofe iminente; d) promessa de salvação com vacinas. Tudo isso, obviamente, garante grandes retornos financeiros. Mas, como é possível se obter tudo isso? Simplesmente por desenvolver uma estratégia que está centrada no mais poderoso processo ativador da decisão humana – o MEDO.

Nós não testemunhamos epidemias virais; nós estamos testemunhando epidemia de MEDO. E, ambas, a mídia e a indústria farmacêutica, são responsáveis pela amplificação dos medos. Medos que acontecem incidentalmente, mas que são apropriados para incrementar fantasticamente os ganhos empresariais. As hipóteses científicas oficiais abrangendo essas áreas das pesquisas dos vírus, praticamente nunca foram cientificamente verificadas através de controles apropriados. Ao invés disso, essas áreas se estabeleceram pelo “consenso”. Esse “consenso” foi rapidamente montado como um dogma, eficientemente perpetuado em quase religião pela mídia. Esse clima faz com que todos os fundos de pesquisa sejam destinados exclusivamente para os projetos que sustentam o dogma, e exclui completamente as pesquisas de hipóteses alternativas. Um instrumento importante para manter as vozes dissidentes fora do debate é a censura nos vários níveis, que vai da mídia popular às publicações científicas.

Nós não temos aprendido com as experiências passadas. Ainda são muitas as questões não respondidas sobre as causas da epidemia de Gripe Espanhola de 1918, e o papel do virus na pólio do pós Segunda Guerra (neurotoxidade por DDT?). As epidemias modernas devem abrir nossas mentes para análises mais críticas. Pasteur e Koch construíram um conhecimento do processo infeccioso aplicável às várias doenças bacterianas. Mas, isso foi antes das descobertas das primeiras viroses. Transportar os princípios das infecções bacterianas para as virais foi muito tentador, mas não deveria ser feito sem se dar a atenção em paralelo aos inumeráveis fatores de risco do nosso ambiente tóxico; para a toxidade de muitas drogas, e para as deficiências nutricionais.

A pesquisa do câncer tinha problemas similares. A hipótese de que o câncer poderia ser causado por vírus foi formulada em 1903, mais que um século atrás. Até hoje, a participação viral no câncer não foi convincentemente demonstrada. Muitos dos estudos laboratoriais realizados pelos “caçadores de vírus” foram realizados em ratos geneticamente susceptíveis. Isso implica numa condição genética totalmente artificial. Seriam esses ratos modelos adequados para se estudar o câncer humano? (nós estamos longe de ser parecidos com esses ratos!) Pronto, esses ratos tornaram possível o isolamento e a purificação do “vírus de RNA tumoral”, posteriormente denominado “retrovírus” e foi bem caracterizado pela microscopia eletrônica. Mas seriam essas partículas virais simplesmente associadas aos tumores dos murinos, ou seriam essas partículas as verdadeiras culpadas pela transformação maligna? Seriam elas partículas exógenas infectantes, ou vírus incompletos escondidos nos cromossomas? Essas questões estão ainda em debate. O que é certo, no entanto, é que partículas virais similares às encontradas em ratos com câncer e leucemia, nunca foram encontradas e, muito menos isoladas, em cânceres humanos.

Entretanto, nos anos finais da década de 60, a oncologia viral obteve um status dogmático, quase religioso. Se as partículas virais não podem ser identificadas pela microscopia eletrônica nos cânceres humanos, o problema era da microscopia eletrônica e não do dogma da oncologia viral! Marcava-se, assim, a fase que iria evoluir para a completa dominância da biologia molecular na pesquisa viral. Os “marcadores moleculares” para retroviroses foram logo inventados (transcriptase reversa, por exemplo). Esses marcadores substituíram convenientemente a ausência de partículas virais, e, assim, salvaram o dogma central da oncologia viral. Isso permitiu que a hipótese viral sobrevivesse por mais 10 anos, até o final dos anos 70, com o suporte de fundos generosos das agências financiadoras e das companhias farmacêuticas. Entretanto, nos anos 80, a falência dessa linha de pesquisa foi se tornando embaraçosamente evidente, e o fechamento de alguns laboratórios de oncologia viral se tornou inevitável, exceto que . . . .

Exceto o que? Se os pesquisadores de vírus em câncer fossem mobilizados para outro problema importante de saúde pública. Em 1981, 5 casos de grave imunodeficiência foram descritos por um médico de Los Angeles. Todos os casos eram de homens homossexuais, usuários intensivos de drogas recreativas (nitritos/Poppers, cocaína, etc), de antibióticos, mal nutridos e com história de várias doenças sexualmente transmissíveis. Seria lógico levantar a hipótese de que esses casos graves de imunodeficiência tiveram origem em processos tóxicos múltiplos. Isso incriminava claramente o estilo de vida desses pacientes.

Infelizmente, tal discriminação era politicamente totalmente inaceitável. Assim, outra hipótese tinha que ser encontrada – esses pacientes sofriam de uma doença contagiosa causada por um novo . . . . retrovirus! Dados científicos para dar suporte a essa hipótese foi, e continua, surpreendentemente, até hoje, totalmente equivocados. Isso não tem importância, o que prevalece são os interesses imediatos dos excitados pesquisadores de vírus em câncer, que brotam imediatamente. Isso foi a salvação dos laboratórios de vírus, onde a AIDS agora se tornou, quase de um dia para outro, o principal foco de pesquisa. Isso gerou um montante financeiro enorme para as pesquisas na linha viral, tendo como grandes financiadores a Big Pharma, o CDC e NIH (National Institute of Health), e ninguém deveria se preocupar com o estilo de vida dos pacientes, que na verdade se tornaram vítimas inocentes desse terrível vírus, mais tarde chamado de HIV.

Vinte e cinco anos após, a hipótese HIV/AIDS falhou totalmente em obter três objetivos maiores, apesar das monstruosas somas de dinheiro investidas em fundos exclusivos de pesquisa na linha da tese viral. Não se descobriu a cura da AIDS; não se verificou as predições epidemiológicas feitas no inicio da “epidemia”; não se conseguiu preparar uma vacina eficaz. Ao invés disso, drogas altamente tóxicas (e não curativas) têm sido usadas de maneira irresponsável, com efeitos letais freqüentes. Nem uma simples partícula do HIV foi ainda observada à microscopia eletrônica no sangue de pacientes supostamente portadores de alta carga viral. Porém, todos os importantes jornais e revistas do mundo já mostraram atrativas e coloridas imagens computadorizadas do HIV oriundas de cultura de células, mas nunca de um único paciente com AIDS. Apesar dessa evidente omissão, o dogma HIV/AIDS continua solidamente entrincheirado. Dezenas de milhares de pesquisadores, e centenas das maiores companhias farmacêuticas continuam tendo enormes lucros com a hipótese HIV/AIDS. E, nenhum único paciente foi curado até hoje .......

Sim, HIV/AIDS é emblemático da corrupção na pesquisa viral que foi contundente e tragicamente documentada nesse livro.

Programas de pesquisas sobre Hepatite C, Vaca Louca, SARS, Gripe Aviária e as políticas correntes de vacinação, são todos desenvolvidos segundo uma mesma lógica – maximizar os ganhos financeiros. Sempre que nós tentamos entender como algumas políticas altamente questionáveis são recomendadas por altas autoridades de saúde pública (OMS, CDC, RKI, etc), descobrimos frequentemente embaraçosos conflitos de interesse, ou a falta de controle elementar dos experimentos, e sempre a rejeição estrita de qualquer debate aberto com os cientistas que apresentam visões dissidentes do processo patológico. Manipulações de estatísticas, falsificações de estudos clínicos, escamoteamento dos efeitos tóxicos das drogas, tem sido repetidamente documentados. Mas, tudo isso tem sido prontamente encoberto, e ninguém foi capaz , até agora, de prejudicar a lógica cínica do negócio da pesquisa viral dos dias de hoje. O encobrimento da neurotoxidade do mercúrio (contido no timerosol) das vacinas, como a provável causa do autismo entre as crianças vacinadas, aparentemente chegou às altas esferas do governo dos EUA ... (ver artigo “Imunidade Mortal”, escrito pelo deputado Robert F. Kennedy Jr. No capítulo 8).

Virus Mania é uma doença social da nossa sociedade desenvolvida. Para curá-la será necessário vencer o medo. O medo como mais mortal que o vírus contagioso, transmitido com grande eficiência pela mídia.

Errare humanum est sed diabolicum preservare . . . . (errar é humano, mas permanecer no erro é diabólico)


Etienne de Harven, MD

Professor Emérito de Patologia da Universidade de Toronto, Canadá

Membro do Sloan Kettering Institute para a pesquisa do câncer (1956-1981)

Membro do grupo de aconselhamento em AIDS indicado pelo presidente da África do Sul Thabo Mbeki

Presidente do Rethinking AIDS (www.rethinkingaids.com)

A mente aberta está desafiando o que nos mantém presos no nada, longe da criadora verdade infinita. Comece a grande mudança do mundo por você mesmo. Religue-se, desligue a TV que destrói nossas vidas e toda gente brasileira com suas novelas e seus noticiários fajutos e doutrinadores do medo e terror paralizantes. 

Só pra ilustrar






 Alex Jones Vacinas Armas Quimicas e Eugenia 



visite http://comunicadointerno.blogspot.com/

TE AMO, SINTO MUITO, ME PERDOE, SOU GRATO.

2 comentários:

  1. Estou passando aqui para conhecer o seu espaço e retribuir sua visita ao Arca. Este texto é elucidativo e nos remete a grandes reflexões. Conclusões ainda não sei. Talvez passemos a ter mais cuidado. Grande abraço e ótimo final de semana.

    ResponderExcluir
  2. Aloha! Maria José é uma honra receber visita tão ilustre e amiga. Te amo, sou grato. E não se vacine!

    ResponderExcluir

Todos são bem vindos, estamos aqui para compartilhar experiências que nos iluminem, mas, por força de impertinentes baixas vibrações planetárias sou obrigado a moderar os comentários. Para bons comentadores este pingo é letra. Sintam-se em casa. E muito grato pela lúcida carinhosa presença. Venham sempre que lembrarem, se gostarem divulguem, compartilhemos nossas descobertas.Sinto muito, me perdoe, vos amo, sou grato. A faxina é infinita.

Related Posts with Thumbnails