O QUE NÃO SABEMOS NÃO EXISTE.
"Quando Creonte lhe diz “tu és a única, em Tebas, a defender tais opiniões”, Antígona responde com grande lucidez:
"-TODOS OS QUE ME OUVEM OUSARIAM CONCORDAR COMIGO SE O MEDO NÃO LHES FECHASSE A BOCA."
Pensar sempre foi considerado conspiração. Este blogue é parte do inadiável processo de novas escolhas na minha permanente ressonante infinita faxina espiritual. Nosso mundo é o que supomos conhecer, bendita Internet. Perceber e compreender faxinando os programas de jogos de memórias escravagistas que estão milenarmente sabotando a sanidade de nossas existências é a nossa única saída... Nada, religião alguma, lei alguma substituirá a consciente responsabilidade (100%) dos julgamentos, escolhas e decisões de cada um de nós. Ninguém virá nos salvar da escravidão... Só podemos escolher entre o medo catabólico e a gratidão anabólica ao afeto incondicional. Onde há amor não há perdão. A verdadeira maravilhosa revolução é intrapessoal, urgente e intransferível. Nós somos os deuses amorosos pelos quais temos esperado. Somos almas. Mantenhamo-nos na vibração da fé no afeto incondicional, todos os espíritos corações e mentes estamos interconectados na Teia Cósmica.
"O SISTEMA" É PSICOPÁTICO, ALIENÍGENA, INUMANO, PEDÓFILO, ANTROPOFAGICAMENTE CORRUPTO E ESCRAVISTA POR NATUREZA. SÃO "DIABÓLICOS". TODAS AS UTOPIAS HUMANITÁRIAS SÃO CONCESSÕES TÁTICAS DENTRO DA MILENAR ESTRATÉGIA ESCRAVAGISTA.
http://www.artmajeur.com/aldoluiz/
Em tempo; amanajé ré significa mensageiro amigo em tupi guarani.

Compartilhemos

Share |

quinta-feira, 17 de junho de 2010

INTERNET OFF, E O PODER ESCRAVAGISTA

Sem darmos conta do quanto iludidos temos sido enquanto ocupados com as mazelas da escassez planejada de tudo que a elite e seus banqueiros governantes do mundo nos impõe para nos manter sob seu permanente controle, aceitamos negligentemente o desnecessário estado de medo do amanhã, penúria e sofrimento que nos aterroriza enquanto os beneficia. Sei que não é fácil perceber e compreender isso, demanda uma boa dose de vivencia, de descrença e desapego às inverídicas e ancestrais doutrinas vigentes. A escassez só existe da porta para fora da sempre bem guardada belicosa elite.

No Golfo do México, há mais de um mês jorra impunemente o petróleo de "propriedade da" British Petroleum,  levado pelos ventos e correntes marinhas vai envenenando mortalmente o planeta. Não prestamos atenção, nós e o resto do mundo, estamos permanentemente distraídos. A copa do mundo é nossa em todos as HDTV de todas as cores e idiomas. A mídia mundial que lhes pertence encobre o ato terrorista aos quatro cantos, assim como fez e tem feito como o famoso 11 de setembro e as inundações de Nova Orleans pelo furacão Catrina, mais um “in side job” terrorista que é a verdade oculta neste vazamento e cujas consequências serão terríveis para todos por muitos e muitos anos.

Genocídio colossal e silencioso ,com inconfesso propósito, disfarçado de “acidente”. Uma obviedade. Só uma alma muito ingênua pode acreditar que uma extração dessa magnitude, de sofisticadíssima tecnologia, no profundo do oceano, está despreparada  para a emergência da troca de uma válvula defeituosa. Incapazes de resolver ou prevenir rapidamente um "acidente" como este. De bilhões de dólares. Acidente filmado, monitorado por câmeras submersas gerando imagens, de propriedade exclusiva,da BP. British Petroleum, do império britânico.







Fonte da espetacular e "invisível" conspiração do império iluminatti que nos impõe, a todos, sem exceção, a sempre em renovada embalagem, a velhíssima "nova" ordem mundial escravagista. 

É dos mares, que a "invisível" coroada velha Inglaterra domina e guarda secularmente, que vem o oxigênio que precisa a nossa maravilhosa Terra para viver sua existência pacífica e feliz. A elite só pensa em si, na sobrevivência de seu poder,  não na humanidade.

Malvinas argentinas continuam Falklands britânicas e ninguém se atreve discordar. Os U S A, seus cúmplices armados até os dentes, desde sempre fiéis ao principio de pouco papo e muita porrada, “low talk and a big stick”, são seus insuspeitos velhos escravos com seus incontáveis eficientíssimos cavalos de batalhas.

Não há elite boa. Toda elite é escravagista. A divisão de classes é um ardil, enredo que aceitamos representar por doutrinação da própria elite que nos oprime e encarcera. Laica ou religiosa, elite é elite, seja ela qual for, não importa a procedência ou grau de obediência à pirâmide opressora encimada pelo olho alienígena do seu antropofágico inumano deus Órus.

Todos, consciente ou inconscientemente são também escravos do Órus antropófago, subservientes fiéis adoradores, seguidores das determinações escravistas são os governos fantoches das corporações que nos manipulam. "Presidentes" ou “governantes”que se arvoram sair das determinações são demonizados e eliminados do cenário e as massas crédulas na lisura do sistema são, brutalmente reprimidas e induzidas ao religioso fratricídio. Holocausto, sacrifício em honra e glória ao milenar vigente sistema escravista.

A Internet é uma benção, a ela minha eterna gratidão, sem ela estaríamos ainda crédulos, complacentes, obedientes, cegos, surdos e mudos e completamente iludidos pelos impostores. A Internet é o único território de troca de informações ainda possível, uma porta aberta para a verdade infinita de informações com possibilidades reais que podem desmascará-los, possibilidades com as quais e justamente por isso querem acabar... Não é teoria. O tempo urge. O deus predador e seu 4º Reich continuam sobre nós o silencioso avanço de sua agenda exterminadora...  Quem sobreviver verá!



Aqui a postagem do ECOCÍDIO de 2009 que não pode ser esquecida ou perdida e que me motivou o texto que você leu.

O dia em que desligarão a internet

PostDateIcon outubro 25th, 2009 | Author: Ecocidio

Pior que americano dizer que a capital do Brasil é Buenos Aires, é o brasileiro não se inteirar do que acontece nos Estados Unidos, potência mundial que foi tomada de assalto e virou a base de operações da quadrilha internacional que pretende dominar o mundo – que aliás já tem inteiro nas mãos, “não é mesmo, companheiro?“, muito menos se informar corretamente sobre o dia a dia do próprio umbigo, o Brasil.

Em agosto desse ano o Senador americano e presidente do comitê de comércio do senado Jay Rockefeller propôs um ato que dá ao presidente americano o poder de controlar temporariamente as redes do setor privado durante um período chamado de emergência de cybersegurança.

O rascunho revisado do Ato de Cybersegurança de 2009 (S773) , cujo título maqueado* dá a entender de uma internet segura para o comércio dos EUA com seus parceiros internacionais, contém um capítulo que diz como o governo irá agir, e informa inclusive de uma Cyber Revisão bianual, cujo início está marcado para 2013. É o governo Big Brother querendo saber onde o cidadão e o setor privado está clicando, quando o faz, e acima de tudo, por que clica.

O Ato dá poderes suficientes para o presidente Obama e seus associados causarem um verdadeiro caos que extrapola o mundo virtual e nos afetaria diretamente. Isso fez muita gente se levantar, inclusive os veículos de comunicação.

Em resposta, Jena Longo, diretora de comunicação do comitê de comércio do senado, informou que “o presidente dos Estados Unidos sempre teve a autoridade constitucional, e dever, de proteger os cidaçãos americanos e dirigir a respota nacional para qualquer emergência que ameace a segurança dos Estados Unidos. O ato de Cybersegurança Rockefeller-Snowe deixa claro que a autoridade do presidente inclui proteger nossa cyberinfraestrutura nacional de ataques. A seçao do ato que trata dessa questão, aplica específicamente a resposta nacional a ataques severos ou disastres naturais. Essa linguagem legislativa é baseada em autoridades legais de longa data para o uso de redes de comunicações em períodos de guerra. (Percebam bem o que ela falou). Para ser bem clara, o ato Rockefeller-Snowe não dará o poder do “governo desligar ou tomar o controle da internet”.

O propósito dessa linguagem é clarificar como o presidente dirige uma resposta público-privada à uma crise, protege nossa economia e resguarda nossas redes financeiras, proteger o povo americano, sua privacidade e liberdade civis, e coordenar uma resposta governamental.” Desculpa esfarrapada essa dela. Ainda mais se lembrarmos que tudo que o

Obama diz, faz exatamente ao contrário. Então o governo toma o controle para proteger? E toma Big Brother, toma Nova Ordem Mundial sob nossas goelas. Mas aí alguém pergunta: e o que o Brasil tem a ver com isso? Ora, onde está localizada a maior parte de nossos servidores de hospedagem, de bancos de dados? E nossos sites e serviços preferidos, onde estão? E os negócios internacionais através de transferências bancárias?

Em resumo, parar a internet nos Estados Unidos significa não apenas os próprios EUA, mas o Brasil e todo o restante do mundo.





? ? ? ? ? ? ? ? ? ?



Sinto muito, me perdoe, te amo, sou grato.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos são bem vindos, estamos aqui para compartilhar experiências que nos iluminem, mas, por força de impertinentes baixas vibrações planetárias sou obrigado a moderar os comentários. Para bons comentadores este pingo é letra. Sintam-se em casa. E muito grato pela lúcida carinhosa presença. Venham sempre que lembrarem, se gostarem divulguem, compartilhemos nossas descobertas.Sinto muito, me perdoe, vos amo, sou grato. A faxina é infinita.

Related Posts with Thumbnails