O QUE NÃO SABEMOS NÃO EXISTE.
"Quando Creonte lhe diz “tu és a única, em Tebas, a defender tais opiniões”, Antígona responde com grande lucidez:
"-TODOS OS QUE ME OUVEM OUSARIAM CONCORDAR COMIGO SE O MEDO NÃO LHES FECHASSE A BOCA."
Pensar sempre foi considerado conspiração. Este blogue é parte do inadiável processo de novas escolhas na minha permanente ressonante infinita faxina espiritual. Nosso mundo é o que supomos conhecer, bendita Internet. Perceber e compreender faxinando os programas de jogos de memórias escravagistas que estão milenarmente sabotando a sanidade de nossas existências é a nossa única saída... Nada, religião alguma, lei alguma substituirá a consciente responsabilidade (100%) dos julgamentos, escolhas e decisões de cada um de nós. Ninguém virá nos salvar da escravidão... Só podemos escolher entre o medo catabólico e a gratidão anabólica ao afeto incondicional. Onde há amor não há perdão. A verdadeira maravilhosa revolução é intrapessoal, urgente e intransferível. Nós somos os deuses amorosos pelos quais temos esperado. Somos almas. Mantenhamo-nos na vibração da fé no afeto incondicional, todos os espíritos corações e mentes estamos interconectados na Teia Cósmica.
"O SISTEMA" É PSICOPÁTICO, ALIENÍGENA, INUMANO, PEDÓFILO, ANTROPOFAGICAMENTE CORRUPTO E ESCRAVISTA POR NATUREZA. SÃO "DIABÓLICOS". TODAS AS UTOPIAS HUMANITÁRIAS SÃO CONCESSÕES TÁTICAS DENTRO DA MILENAR ESTRATÉGIA ESCRAVAGISTA.
http://www.artmajeur.com/aldoluiz/
Em tempo; amanajé ré significa mensageiro amigo em tupi guarani.

Compartilhemos

Share |

domingo, 27 de novembro de 2016

Por que é difícil melhorar um relacionamento?


Por que é difícil melhorar um relacionamento

Por que é difícil melhorar um relacionamento?

T
er um relacionamento é complicado e até mesmo caótico, muitas vezes surgem diferentes problemas que geram estresse. O psicólogo e autor do website SNCMedia, Andrei Yudin, publicou um artigo que, finalmente, coloca todos os pingos nos is.

"O primeiro e único problema dos relacionamentos é que esse problema não existe. Tudo o que as pessoas pensam que são adversidades não são nada mais do que sinais de dificuldades internas. No processo de interação com o outro, os problemas dos dois envolvidos se juntam num nó enorme multicolorido e em constante crescimento.

A roda de Samsara

Normalmente, tudo começa porque as duas pessoas basicamente não conseguem pensar sobre o que realmente querem e, sem fazer nenhum esforço para encontrar o parceiro certo, começam um relacionamento.

Depois, quando começa uma comunicação mais ou menos de rotina, se inicia uma espécie de transe em que o corpo está na relação, mas a alma, cada vez mais frequentemente, evita o contato real e vive num isolamento de seus sentimentos e de suas necessidades. Nesta etapa do cenário da vida do casal surge todo um exército de ’problemas’: a incapacidade de respeitar o outro e suas necessidades, a inabilidade de sentir e o costume de manipular e jogar a responsabilidade no outro.

De repente descobrimos que a construção de uma relação forte e saudável é uma tarefa difícil e adulta, para a qual não estamos preparados nem moral nem tecnicamente. Nós ainda não aprendemos nem ao menos caminhar direito e temos de pilotar um avião.


Este momento é quando, no lugar de começar a trabalhar e desenvolver as habilidades que precisamos, optamos por uma maneira menos eficiente, já que começamos a tratar nosso parceiro como faríamos com uma criança pequena: somos caprichosos, nos irritamos, guardarmos rancores e fazemos birras. Começamos a nos comportar como se o nosso parceiro fosse nossa propriedade que não pode ir embora. Mas essa ’propriedad’ não só pode ir embora, mas também, na maioria dos casos, é o que faz, deixando-nos surpreendidos e decepcionados.


Os relacionamentos morrem lentamente. Desaparecem a leveza, a novidade o flerte e, em vez disso, ficam as discussões sobre quem tem razão. Logo acaba a intimidade e as pessoas se tornam colegas. Tudo termina com alguém não suportando mais a situação e que se arma de coragem para aceitar o óbvio: GAME OVER.

O caminho do despertar

Mas e se você for uma exceção às regras e seu problema for apenas com o seu parceiro, sem ter relação direta a seus problemas pessoais? Pode ser. Se você estiver bem resolvido, tranquilo, equilibrado, sem traumas de infância, se consegue realizar com sucesso o seu potencial, trabalha com algo interessante, não tem problemas financeiros, sabe ser um bom amigo e um parceiro de negócios e sabe que ninguém lhe deve nada, então, sim, o problema não é com você. Pessoalmente, nunca na minha vida vi isso: porque o tipo de pessoa que acabo de descrever tem bons relacionamentos. Mas aqueles que falam sobre grandes problemas em seu relacionamento, sem exceção, têm inúmeros problemas pessoais básicos.


O homem não pode construir com ninguém um relacionamento mais saudável do que o relacionamento que tem consigo mesmo. Se há alguns problemas em seu relacionamento, é inútil acreditar que você pode mudar seu parceiro ou aprender a dominá-lo. Tudo o que você pode e deve esperar é compreender a si mesmo e resolver seus problemas, o que é uma tarefa totalmente real, que certamente irá solucionar seus dilemas. Mas esta estratégia tem um efeito secundário muito importante: o mais provável é que, nesta fase, seu velho relacionamento acabe e ceda lugar a algo que você não poderia imaginar nem em seus sonhos mais atrevidos.


Sigamos avante nosso treinamento ao afeto incondicional.
SINTO MUITO, ME PERDOE, TE AMO, SOU GRATO.
Ainda não acreditam em conspirações?
 Sem problema...
Inté!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos são bem vindos, estamos aqui para compartilhar experiências que nos iluminem, mas, por força de impertinentes baixas vibrações planetárias sou obrigado a moderar os comentários. Para bons comentadores este pingo é letra. Sintam-se em casa. E muito grato pela lúcida carinhosa presença. Venham sempre que lembrarem, se gostarem divulguem, compartilhemos nossas descobertas.Sinto muito, me perdoe, vos amo, sou grato. A faxina é infinita.

Related Posts with Thumbnails