O QUE NÃO SABEMOS NÃO EXISTE.
"Quando Creonte lhe diz “tu és a única, em Tebas, a defender tais opiniões”, Antígona responde com grande lucidez:
"-TODOS OS QUE ME OUVEM OUSARIAM CONCORDAR COMIGO SE O MEDO NÃO LHES FECHASSE A BOCA."
Pensar sempre foi considerado conspiração. Este blogue é parte do inadiável processo de novas escolhas na minha permanente ressonante infinita faxina espiritual. Nosso mundo é o que supomos conhecer, bendita Internet. Perceber e compreender faxinando os programas de jogos de memórias escravagistas que estão milenarmente sabotando a sanidade de nossas existências é a nossa única saída... Nada, religião alguma, lei alguma substituirá a consciente responsabilidade (100%) dos julgamentos, escolhas e decisões de cada um de nós. Ninguém virá nos salvar da escravidão... Só podemos escolher entre o medo catabólico e a gratidão anabólica ao afeto incondicional. Onde há amor não há perdão. A verdadeira maravilhosa revolução é intrapessoal, urgente e intransferível. Nós somos os deuses amorosos pelos quais temos esperado. Somos almas. Mantenhamo-nos na vibração da fé no afeto incondicional, todos os espíritos corações e mentes estamos interconectados na Teia Cósmica.
"O SISTEMA" É PSICOPÁTICO, ALIENÍGENA, INUMANO, PEDÓFILO, ANTROPOFAGICAMENTE CORRUPTO E ESCRAVISTA POR NATUREZA. SÃO "DIABÓLICOS". TODAS AS UTOPIAS HUMANITÁRIAS SÃO CONCESSÕES TÁTICAS DENTRO DA MILENAR ESTRATÉGIA ESCRAVAGISTA.
http://www.artmajeur.com/aldoluiz/
Em tempo; amanajé ré significa mensageiro amigo em tupi guarani.

Compartilhemos

Share |

terça-feira, 15 de janeiro de 2013

Satíricon - Brasil - 2013 e facebook



"Aqueles que se consideram os proprietários ou deuses deste planeta tentarão manter vocês afastados da emoção amorosa e cooperativa que facilitará a evolução da raça humana. Farão tudo o que estiver ao alcance deles para ocasionar inquietação, caos, guerra e medo, o que os impede de acessar a Biblioteca Viva.



"Nesse quadro, não é difícil entender o prestígio de Nietzsche – prestígio baseado numa interpretação que subestima o reacionarismo do filósofo alemão e enfatiza a crítica da cultura e a análise do eu presentes em sua obra. Para Georg Lukács, "o encargo social" que a filosofia de Nietzsche cumpre, consiste em "salvar", "resgatar" este tipo de intelectual burguês, "em apontar-lhe um caminho que torne desnecessária a ruptura e até todo conflito sério com a burguesia; caminho em que possa seguir abrigando, e inclusive se acentue nele, o agradável sentimento de ser um rebelde ao contrapor-se, tentadoramente, à revolução social 'superficial' e 'puramente externa' outra revolução 'mais profunda', de caráter 'cosmobiológico'. Uma 'revolução", além disso, que deixe em pé, íntegros, os privilégios da burguesia e que defende, sobretudo, aproximadamente, a situação de privilégio da intelectualidade burguesa, imperialista e parasitária, uma 'revolução' dirigida contra as massas e que dá, ao medo que os privilegiados econômicos e culturais têm de perder seus privilégios, uma expressão patético-agressiva em que se disfarça seu temor e seu egoísmo". (Todo texto AQUI para quem quiser mais...)


Satyricon "Federico Fellini" 1969 - Filme Completo (Full Movie) Legendado PT

Satíricon

Satíricon é uma obra da literatura latina de autoria do prosador romano Petrônio, escrita provavelmente próximo do ano 60 d.C.[1], que descreve as aventuras e desventuras do narrador, Encólpio, do seu amante Ascilto e do belíssimo servo, o jovem Gitão, que se intromete entre os dois amantes provocando ciúme e discussão. Juntamente com o poeta Eumolpo, embarcam em aventuras diversas acabando naufragados nas mão de Circe, uma sacerdotisa do deus Príapo.
Dessa sátira notável dos tempos do imperador Nero sobrevivem apenas fragmentos, dos quais o mais significativo é o afamado Banquete de Trimalquião, onde se fazem descrições detalhadas dum jantar luxuoso, extravagante e decadente oferecido pelo que se poderia chamar um "novo-rico" romano[1].
Satíricon é um dos mais antigos romances conhecidos[2]. Pode-se considerar Satíricon uma sátira — uma grande crítica aos costumes e à política da Roma antiga. Os episódios narrados estão em sintonia híbrida, ou seja, passagens cômicas são intercaladas com outras trágicas de forma natural e harmônica. O narrador parte do retrato puramente zombeteiro da cena para narrar uma desgraça, articulando-se por meio de expressões solenes, artifícios retóricos, da mesma forma que se apresentam palavras do idioma popular, às vezes vulgares demais. Passagens maliciosas, baixas, descritas e acobertadas por um fantástico domínio da arte retórica por parte de Encólpio, o narrador-personagem, que se mantém ao mesmo tempo fiel e avesso à retórica.

E então? Tá conseguindo fazer as conexões Satíricon? Tem mais essa

Muita coincidência, porta-vozes globais como Faustão e Arnaldo Jabor, fazerem  prosopopéia sobre a maravilha que será separar do Brasil o Rio Grande do Sul? Para fracionar o Brasil em novas e beligerantes capitanias hereditárias? A semente do mal é plantada pelos escravagistas pastores da desordem enquanto todos, na casa grande e na senzala, estão bbbobodormentes... 

Vi esta manobra, o discurso dos dois tenebrosos, publicada no "face", e os trouxas ainda gostam e compartilham, passam adiante o vírus da própria morte... E eu é que sou o conspiranóico? Ô seu Face? P Ô !  P Q P ! Acorda aí, ô meu.

Nem vai ver o filme? Segue o jogo... Sinto muito, me perdoe, vos amo,sou grato. Arre!

2 comentários:

  1. Caro Aldo,
    Muito boa a postagem, ela coloca em evidência as teorias "libertárias" propaladas pelas elites, e o comportamento das elites!

    Entretanto, como li a matéria sobre o nietszch, acho pertinenete alertar para algumas questões.
    Tudo o que foi dito sobre o nietszch é verdade, aliás até na tradução dos protocolos sionistas feita pelo Gustavo Barrroso alerta sobre esse "intelectual".
    Mas, como não pode deixar de ser, quando se alavanca ideologias, a truncação ambígua é a ordem do dia!
    Kant, hegel, marx e outros debeis mentais são as epitomes da proposta de minorização do ser humano.
    Esses seres elevam o estado ao patamar de pessoa "fisica" legitimam esse como se fosse a medida final da humanidade.
    Essas propostas são pertinentes para pensadores a lá bbb!!
    Quando temos uma massa acéfala é pertinenete aquilatarmos todos a todos, mas em um grupo pensante aquilatar todos de forma igual é coisa de debil mental!!
    Entre os pensantes existem nuances analíticas que nos levam a flexibilizar e minimizar as ações e poderes do estado.
    Ora, quem ganha com a proposta socialista, "includente" é sempre o medíocre, visto que o pensante passa a ser "escravo" do boçaL! O lixo beócio gera o que mais sabe gerar, m... e aí, os pensantes são obrigados a limpar a cag... do boçal para fazer a máquina andar.
    Como vemos, as soluções populistas são mais perversas do que as soluções extratificantes, essas fazem com que o trabalho do pensante desçam ralo abaixo, enquantyo os boçais se beneficiam mesmo que de forma parcial com a produção dos pensantes, agora aquilatados a massa produtiva.

    Todos os pensadores via de regra foram alavancados para que fosse moldada a mente burguesa (os que leen) de forma idiosincrática, egoista, sem paralelo na lógica social quanto na biológica. O resultado foi uma massa burguesa afeita a seguir pressupostos dementes de "filósofos"!
    Nada é igual a nada, aquilatar qualquer coisa a qualquer coisa é destruir ambas as coisas!!
    Não existe semelhança entre humanos, existem idiosincrasias pertinentes, só isso!!
    Não podemos querer que imbbbecis façam as vezes dos pensantes. Não se tira leite de boi, assim como não se tira goiaba de mangueira.
    E nossa sociedade é uma estrutura onde ervas daninhas são alavancadas ao patamar da produtividade frugal, o resultado é isso aí, um monte de ervas daninhas destruiram completamente um campo verdejante e hoje o que mais temos é adubo, mas infelizmente nada para plantar!!!

    ResponderExcluir
  2. Vapera, muito boas observações. Fazer pensar fora da caixa é uma proposta... A parte do texto que citei é que mais me interessou refletir. Não tenho mais "aquela pouca paciÊncia" para o jogo de polêmicas, muito menos intelectuais. Aliás nunca tive. Sempre fui um bagual.

    Não há professia alguma. A casa grande faz seus planos. E seus adeptos propagam...

    A senzala, por ressonância, mantida na ignorância e crédula, coloca em si seus próprios grilhões. As casas grandes em constante beligerante disputa pelo mercado de escravos agradece e abençoa com suas cruzes invertidas e outras cretinas simbologias. Pedófilos, inumanos psicopatas e antropofágicos, escarnecem nossa humanidade enquanto nos abusam e comem. O planeta segue seus próprios planos de navegante que podem incluir nossa exclusão.

    Cruel e simples assim... "O resultado é inerente ao processo que a ele conduz". Ninguém virá nos salvar.

    Sinto muito, Vos amo, me perdoe, sou grato.

    ResponderExcluir

Todos são bem vindos, estamos aqui para compartilhar experiências que nos iluminem, mas, por força de impertinentes baixas vibrações planetárias sou obrigado a moderar os comentários. Para bons comentadores este pingo é letra. Sintam-se em casa. E muito grato pela lúcida carinhosa presença. Venham sempre que lembrarem, se gostarem divulguem, compartilhemos nossas descobertas.Sinto muito, me perdoe, vos amo, sou grato. A faxina é infinita.

Related Posts with Thumbnails