O QUE NÃO SABEMOS NÃO EXISTE.
"Quando Creonte lhe diz “tu és a única, em Tebas, a defender tais opiniões”, Antígona responde com grande lucidez:
"-TODOS OS QUE ME OUVEM OUSARIAM CONCORDAR COMIGO SE O MEDO NÃO LHES FECHASSE A BOCA."
Pensar sempre foi considerado conspiração. Este blogue é parte do inadiável processo de novas escolhas na minha permanente ressonante infinita faxina espiritual. Nosso mundo é o que supomos conhecer, bendita Internet. Perceber e compreender faxinando os programas de jogos de memórias escravagistas que estão milenarmente sabotando a sanidade de nossas existências é a nossa única saída... Nada, religião alguma, lei alguma substituirá a consciente responsabilidade (100%) dos julgamentos, escolhas e decisões de cada um de nós. Ninguém virá nos salvar da escravidão... Só podemos escolher entre o medo catabólico e a gratidão anabólica ao afeto incondicional. Onde há amor não há perdão. A verdadeira maravilhosa revolução é intrapessoal, urgente e intransferível. Nós somos os deuses amorosos pelos quais temos esperado. Somos almas. Mantenhamo-nos na vibração da fé no afeto incondicional, todos os espíritos corações e mentes estamos interconectados na Teia Cósmica.
"O SISTEMA" É PSICOPÁTICO, ALIENÍGENA, INUMANO, PEDÓFILO, ANTROPOFAGICAMENTE CORRUPTO E ESCRAVISTA POR NATUREZA. SÃO "DIABÓLICOS". TODAS AS UTOPIAS HUMANITÁRIAS SÃO CONCESSÕES TÁTICAS DENTRO DA MILENAR ESTRATÉGIA ESCRAVAGISTA.
http://www.artmajeur.com/aldoluiz/
Em tempo; amanajé ré significa mensageiro amigo em tupi guarani.

Compartilhemos

Share |

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Gaza é todo o mundo


Gaza é em todo o mundo  
por Laerte Braga 
 
Clica aqui para ver o perfil e outros textos do autor Livre expressão


 
O nome da barbárie é capitalismo. Gaza e seus horrores vividos na insânia do terrorismo de Estado está em cada rua do Haiti onde tropas da ONU a pretexto de "libertar", escravizam e matam. Ou nos despejos como o de Pinheirinhos, no Brasil. Onde a "justiça" se transforma em instrumento de violência e coloca seis mil famílias sem moradia. Nas favelas incendiadas de São Paulo. Na violência disfarçada de pacificação das Unidades de Polícia Pacificadora no Rio. Montadas em Israel, cultivadas no Haiti e na Colômbia, na subserviência de um gigante que permanece adormecido.
 
Nas ruas da Grécia, da Espanha, de Portugal, da Itália, do Egito, da Jordânia, onde milhões de pessoas protestam contra a estupidez das políticas de austeridade que beneficiam os bancos, os grandes conglomerados empresariais.
 
Nos 30 milhões de norte-americanos que vivem na linha da pobreza na nação mais rica do mundo.
 
Deus é apenas o artifício, o pretexto para essa loucura pensada, planejada e executada com requintes de crueldade que traumatizam o mais insensível dos seres humanos, nessa insensibilidade criada diariamente pela mídia capitalista. A tarefa de transformar o ser em objeto, em mercadoria exposta na vitrine de horror das bombas bíblicas despejadas cheias de fósforo branco e em nome da "auto defesa".
 
É um paradoxo, mas Gaza, a faixa, cerca de 360 mil quilômetros quadrados, um milhão e meio de seres humanos, os palestinos, sobreviviam da produção de tomates, de flores, de frutas. A água lhes foi tomada pela ganância de nazi/sionistas e transformada em empresa.
 
É a área de maior densidade populacional do mundo.
 
A repetição de imagens chocantes vai anestesiando os seres e fazendo com que se acostumem a uma rotina que é típica do capitalismo. Seja o corpo esfacelado de uma criança em Gaza, seja o idoso buscando um pedaço de pão numa lixeira em Portugal.
 
"Na União Soviética tínhamos o pão e a liberdade" dizia uma das faixas do protesto contra o governo ditatorial de Vladimir Putin.
 
Ângela Merkel constrói o IV Reich em sua faixa, a imensa faixa da União Européia sobre os escombros da classe trabalhadora explorada ao limite pelo sistema desumano e impiedoso, o capitalismo.
 
"É capitalismo estúpido". É o que Clinton deveria ter dito a Bush.
 
Gaza são os índios Guarani-Kaiowás cercados por pistoleiros e policiais às margens de um rio, terra que lhes pertence, por conta do latifúndio, uma espécie de predador multiplicado nos transgênicos que nos envenenam todos os dias e compramos em clima de alegria nas gôndolas dos supermercados. Um templo do capitalismo onde os funcionários são aconselhados a usar fraldões para não perder tempo (time is money) indo ao banheiro satisfazer necessidades fisiológicas.
 
Satisfazem o apetite pantagruélico dos exploradores.
 
A mãe segura a cabeça do filho. O pai segura o corpo. Segundo Benjamin Netanyahu, primeiro-ministro do Estado terrorista de Israel, é "auto defesa". As provas começam a aparecer o ataque israelense/terrorista foi uma decisão do gabinete genocida para reforçar as pesquisas eleitorais a favor do governo em época de proximidade de eleições e reação ao não de Obama a um ataque insensato ao Irã.
 
Ahmadinejad, o diabo pintado pela mídia ocidental, recebe e conversa com rabinos contrários ao massacre de palestinos. Um jovem de 19 anos, judeu, é preso e pode ser condenado por traição. O crime de se opor ao terrorismo de seu governo. Existem hiatos de bom senso.
 
Os protestos se multiplicam pelo mundo.
 
O PCC – Primeiro Comando da Capital – contrata policiais para matar policiais, exibe a falência do Estado instituição, recebe suas dívidas em corpos de pseudos agentes da lei, na violência que é, em si, o chamado mundo institucional. Isso em São Paulo, uma das grandes metrópoles do mundo.
 
Dilma Rousseff chega a Madri e critica a política de "austeridade" dos países da União Européia receitando desenvolvimento e aumentos salariais. O clássico faça o que eu falo e não o que eu faço.
 
É a típica neoliberal. Desmancha os serviços públicos no Brasil, sucateia os setores que na constituição são direitos básicos de cada um dos brasileiros, enquanto rega seu canteiro eleitoral com políticas assistencialistas.
 
Elege o automóvel com o deus da tribo neoliberal que governo o Brasil.
 
E engole a ditadura da chamada corte suprema, grupo de ministros, ou pelo menos assim chamados, especialistas em habeas corpus para banqueiros fraudadores, médicos estupradores e latifundiários, com as garantias dos jagunços do ministro Gilmar Mendes, outrora, desafeto do agora amigo Joaquim Barbosa.
 
O capitalismo é cínico, é frio, é impiedoso.
 
Gaza é a materialização de toda essa barbárie.
 
Não há saída possível dentro dessa ordem, dentro dos limites estabelecidos pela democracia que é farsa, que não existe. Em qualquer canto do mundo onde o capitalismo seja o altar principal.
 
Quando o cristianismo foi reconhecido pelo imperador, IV dC, o bispo de Poitiers, Hilário, avisou a seus colegas bispos. – "Ele, o imperador, não vos trouxe a liberdade lançando-vos à prisão, mas trata-os com respeito em seus palácios e, portanto, transforma-os em escravos".
 
A mercadoria deus, qualquer que seja o nome que tenha, ou a forma como seja entendido. O capitalismo sabe bem disso.
 
Discute-se toda a violência em Gaza a partir de "especialistas" e conjunturas sobre as negociações de paz.
 
Que paz? Quando a paz foi assinada mataram Itzak Rabin para que a paz não se materializasse.
 
Que diferença existe entre os sionistas e os nazistas? Uma única. Num determinado momento os nazistas pareciam ter vencido, noutro determinado agora, perceberam que o nazi/sionismo tem tudo a ver.
 
É só judiar implacavelmente do povo palestino e mostrar ao mundo o poder da boçalidade.
 
As flores de Gaza são regadas com sangue da insânia fingida do terrorismo de Estado.
Gaza é o capitalismo em sua sanha mais desumana e bestial. Mas Gaza é todo o mundo.



Duras verdades?
Não desanima não. A hora é agora. 
Mantenha-se na vibração do amor. 
Lembre-se que tudo está ligado a tudo e nada é por acaso. 
Nossos pensamentos criam a nossa realidade. 
Nazi sionistas são assim porque foram e são doutrinados pensar assim.
Livre arbítrio é poder escolher ser livre dessa escravidão milenar.
Já fez sua meditação hoje?
Continua treinando o amor incondicional? Beleza!
Tá difícil?
Não desanima não. Você é um ser humano. 
O mundo real não é este. 
Seja responsável por suas escolhas.
A hora de descobrir a verdade é agora.
Este texto veio daqui.
Sinto muito, me perdoe, te amo, sou grato.

5 comentários:

  1. É Aldo, esses tempos são tempos de separação. Quem está quente no Amor fica mais quente ainda e quem está frio, parece ficar mais frio ainda...

    Mesmo diante dessa falsa realidade, vamos continuar sendo pequenas fontes do Amor Infinito.
    Amor não divide, não gera separação e nem conflitos e muito menos faz acepção de seres vivos.

    Meu amigo, um abraço e fica na paz...

    ResponderExcluir
  2. Lôh, O AMOR NÃO TEM OPOSTO!

    Grato meu amigo. PAZ para você também, e todos nós, O TUDO INFINITO.

    ResponderExcluir
  3. Caro Aldo,
    O nome de barbárie Não é capitalismo, é estupidez!!
    Veja que a culpa das desgraças humanas não são metodologias de concentração de poder, mas sim a leniência das pessoas.
    As pessoas só começaram a comer enlatados, beneficiados e toda a sorte de nojeiras por conta da PREGUIÇA!!
    Não existiriam "mctranqueiras" se as pessoas fossem menos preguiçosas, não existiriam TVs se a população tivesse menos preguiça mental!!
    Não existiriam "tropas das elites" se o povo fosse menos covarde e tivesse disposto a lutar pela sua segurança, não existiriam leis de desarmamento (para garantir armas só para as elites e seus jagunços, as tropas das elites.) se a população tivesse fibra para se defender.
    Não existiriam os bancos se a distribuição de renda fosse pertinente, impedindo a inveja de se aflorar, pois não haveria roubos, visto que roubo é fruto da pusilânimidade individual aliada a butinagem das elites (bancos).
    O ladrão menor rouba porque todos os que comandam tudo são ladrões, e como todo lixo é invejoso, esses seres almejam ser lixos como as elites e começam a roubar, algo que a elite faz desde que roubou a Terra Brasilis dos verdadeiros donos.
    Ou seja, a elite e seus mecanismos de dominação só emplacou por conta da mediocridade dos cidadãos!!!
    O cidadão tem que ver tais mecanismos servem tanto para dfegenerar como para evoluir, a questão é: Em qual lado queremos seguir!!
    A "fecosofia" judaicocristã é a principal ferramenta de degeneração e todos achamos que perdão é pertinente sempre.
    A filosofia brahmanista é bem ilustrativa com relação a isso:
    Shiva é a destruição, a reciclagem, Brahma a criação, o nascimento e Vishnu a permaqnencia, o período entre Brahma e Shiva.
    Entende-se que o extremo Brahma gera o extremo Shiva, ou sejaq da criação total chega-se a destruição e a destruição total gera a criação.
    Entendendo isso fica claro que a lógica perdoante tem seus problemas, visto que perdoando mantem-se o status ou de criação ou de destruição (Vishnu)e elimina a reciclagem, os lixos de agora ficam perenes. Entretanto se entendermos que a destruição é benéfica para o andamento da coisa, não hesitaremos em exterminar as causas da caca atual.
    E evidentemente tudo o que impera atualmente só está vivo por conta dessa máxima judaicocristã, aquela que legitima a aceitação das barbaridades judaicas (não são só os sionistas os monstros, mas todos os que seguem a religião mosdáica, pois É ELA a verdadeira causa da bestialidade sádica e rapace dos judeus), através do avatar cristico judeu que afirma que o reino dos cristãos é no céu e não na Terra (em contrapartida do reino judeu que é aqui e agora), que afirma que é perdoando que se é perdoado e garante que os excrementos vivam na impunidade!!!
    Continua...

    ResponderExcluir
  4. Continuação

    O que não presta TEM que ser exterminado, para que nasça o que presta (extremo Shiva leva a extremo Brahma!!).
    Não há como lutar com armas, pois as elites já eliminaram as armas do povão há muito.
    O que nos resta é matar os lixos usando a arma que temos, a a fonte de todo o poder desses excrementos.
    Consumimos os lixos produzidos pelos escravos desses parasitas, e enchemos as burras desses lixos (notastes como nenhum empresário paga imposto,l pois é tudo remetido ao bolso do consumidor?? Isso é prova clara de que a tributação É CRIMINOSA e pertence aos excrementos parasitários da elite.
    Se paramos de consumir mer...a, desde a prosáicio açucar ate as mais sofisticadas gadgetices, esses lixos somem, pois são parasitas e não conseguyem produzir! Veja os cafetões de vaca, os latifundios, são terras do povo trabalhada pelo povo mas butinada por salafros que se acham os donos da terra!! Eles só sabem parasitar, seja gado, seja gente!
    Eles não sabem sequer levantar uma parede, mas vivem dentro das melhores paredes!
    Não sabem fazer nada, apesar dos canudos adquiridos em catedras bancadas pelo povo (universidades públicas) as quais o povo só pode entrar se responder correto a cartilha de esparrificação do povão!
    Basta que nos recusemos a trabalhar e consumir o que esses lixos produzem!!
    A proporção de povo para elite e suas tropas é absolutamente esmagadora e mesmo assim os lixos mandam???
    Basta que deixemos de agir como gnus medrosos!
    Os próprios bandidos circunstãnciais, os alijados sociais, preferem atacar os mais desprotegidos!! Ou seja, os lixos que são os descendentes dos estupradores e escravistas parasitários ficam na boa enquanto os alijados periculosos atacam os que em nada podem mudar a situação.
    Bastava os PCCS da vida sequestrarem os governantes, os elites e acabariam virando heróis!!
    Mas até a "escória" do povo é covarde, só ataca os desprotegidos!
    Como vemos, caro Aldo, parece que a culpa verdadeira está com a maioria, a culpa é democrata!!! :-D

    ResponderExcluir
  5. Caro amigo Vapera, seus comentários geraram minha resposta e agradecimento nesta postagem http://infinitoaldoluiz.blogspot.com.br/2012/11/vapera-monsanto-e-o-anticristo.html

    Sou grato.

    ResponderExcluir

Todos são bem vindos, estamos aqui para compartilhar experiências que nos iluminem, mas, por força de impertinentes baixas vibrações planetárias sou obrigado a moderar os comentários. Para bons comentadores este pingo é letra. Sintam-se em casa. E muito grato pela lúcida carinhosa presença. Venham sempre que lembrarem, se gostarem divulguem, compartilhemos nossas descobertas.Sinto muito, me perdoe, vos amo, sou grato. A faxina é infinita.

Related Posts with Thumbnails