O QUE NÃO SABEMOS NÃO EXISTE.
"Quando Creonte lhe diz “tu és a única, em Tebas, a defender tais opiniões”, Antígona responde com grande lucidez:
"-TODOS OS QUE ME OUVEM OUSARIAM CONCORDAR COMIGO SE O MEDO NÃO LHES FECHASSE A BOCA."
Pensar sempre foi considerado conspiração. Este blogue é parte do inadiável processo de novas escolhas na minha permanente ressonante infinita faxina espiritual. Nosso mundo é o que supomos conhecer, bendita Internet. Perceber e compreender faxinando os programas de jogos de memórias escravagistas que estão milenarmente sabotando a sanidade de nossas existências é a nossa única saída... Nada, religião alguma, lei alguma substituirá a consciente responsabilidade (100%) dos julgamentos, escolhas e decisões de cada um de nós. Ninguém virá nos salvar da escravidão... Só podemos escolher entre o medo catabólico e a gratidão anabólica ao afeto incondicional. Onde há amor não há perdão. A verdadeira maravilhosa revolução é intrapessoal, urgente e intransferível. Nós somos os deuses amorosos pelos quais temos esperado. Somos almas. Mantenhamo-nos na vibração da fé no afeto incondicional, todos os espíritos corações e mentes estamos interconectados na Teia Cósmica.
"O SISTEMA" É PSICOPÁTICO, ALIENÍGENA, INUMANO, PEDÓFILO, ANTROPOFAGICAMENTE CORRUPTO E ESCRAVISTA POR NATUREZA. SÃO "DIABÓLICOS". TODAS AS UTOPIAS HUMANITÁRIAS SÃO CONCESSÕES TÁTICAS DENTRO DA MILENAR ESTRATÉGIA ESCRAVAGISTA.
http://www.artmajeur.com/aldoluiz/
Em tempo; amanajé ré significa mensageiro amigo em tupi guarani.

Compartilhemos

Share |

sábado, 9 de julho de 2016

“O Ceifador”



A IMPORTÂNCIA DE DEIXAR IR

Cultivar o desapego é um dos conselhos fundamentais dado pelo arcano chamado “O Ceifador”, Aldo. Existem momentos na vida em que somos desafiados a "perder cascas", a compreender a importância de caminhar deixando paisagens para trás.
Ainda que isso doa, uma vez que nosso ego se estrutura a partir de apegos e identificações, é a compreensão meditativa de que tudo passa que lhe permitirá seguir caminhando e, enfim, abrir-se ao novo que belamente se introduz em sua vida, pouco a pouco, passo a passo, até que você apareça com a alma totalmente renovada.
Procure se interiorizar neste momento, evitando grandes atividades sociais. Faça este contato com o núcleo da sua alma e você entenderá quais são as coisas que precisam ser deixadas para trás.
Conselho: Viver é "perder cascas" continuamente!

"Para os jogadores de RPG a morte de seus personagens é um momento muito marcante. Pode ser triste, chato, empolgante ou até corriqueiro, dependendo do nível de apego que o jogador tinha com seu personagem. Mas e se a morte não fosse o final da história dos personagens? Que tal um cenário onde a morte nada mais é que um portal para uma terra misteriosa e diferente, onde a alma dos personagens pode evoluir, e talvez até renascer?"
"Na remota hipótese de uma alma conseguir derrotar um Ceifador, o jogador pode escolher entre ressuscitar o seu personagem antigo, que irá viver por 1d4 anos ou 1d4 níveis, o que acontecer antes ou então tentar tomar o lugar do Ceifador que acabou de tombar. Para isso, no momento da reencarnação deve ser rolado um d%. Caso o jogador consiga tirar um valor de até 5% seu personagem irá adquirir os poderes do Ceifador que foi derrotado, tornando-se assim ele mesmo um Ceifador." (fonte)

Ceifa/dor. 
Ceifa a dor física no momento que morremos. 
Nas plagas pastagens terráqueas, tudo é "trans/metido", pela dor. 
Já pararam para pensar na palavra "CONTEN/DOR"? O OUTRO? 
Dores morais? Mentais, egoicas? Dores dos que odeiam "nossos contendores",  os "espelhos", os sem o nosso perdão por não sabermos que já estamos todos no inferno do permanente estado inferniza/dor... Puro egoismo.

Meditemos?
Inté!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos são bem vindos, estamos aqui para compartilhar experiências que nos iluminem, mas, por força de impertinentes baixas vibrações planetárias sou obrigado a moderar os comentários. Para bons comentadores este pingo é letra. Sintam-se em casa. E muito grato pela lúcida carinhosa presença. Venham sempre que lembrarem, se gostarem divulguem, compartilhemos nossas descobertas.Sinto muito, me perdoe, vos amo, sou grato. A faxina é infinita.

Related Posts with Thumbnails