O QUE NÃO SABEMOS NÃO EXISTE.
"Quando Creonte lhe diz “tu és a única, em Tebas, a defender tais opiniões”, Antígona responde com grande lucidez:
"-TODOS OS QUE ME OUVEM OUSARIAM CONCORDAR COMIGO SE O MEDO NÃO LHES FECHASSE A BOCA."
Pensar sempre foi considerado conspiração. Este blogue é parte do inadiável processo de novas escolhas na minha permanente ressonante infinita faxina espiritual. Nosso mundo é o que supomos conhecer, bendita Internet. Perceber e compreender faxinando os programas de jogos de memórias escravagistas que estão milenarmente sabotando a sanidade de nossas existências é a nossa única saída... Nada, religião alguma, lei alguma substituirá a consciente responsabilidade (100%) dos julgamentos, escolhas e decisões de cada um de nós. Ninguém virá nos salvar da escravidão... Só podemos escolher entre o medo catabólico e a gratidão anabólica ao afeto incondicional. Onde há amor não há perdão. A verdadeira maravilhosa revolução é intrapessoal, urgente e intransferível. Nós somos os deuses amorosos pelos quais temos esperado. Somos almas. Mantenhamo-nos na vibração da fé no afeto incondicional, todos os espíritos corações e mentes estamos interconectados na Teia Cósmica.
"O SISTEMA" É PSICOPÁTICO, ALIENÍGENA, INUMANO, PEDÓFILO, ANTROPOFAGICAMENTE CORRUPTO E ESCRAVISTA POR NATUREZA. SÃO "DIABÓLICOS". TODAS AS UTOPIAS HUMANITÁRIAS SÃO CONCESSÕES TÁTICAS DENTRO DA MILENAR ESTRATÉGIA ESCRAVAGISTA.
http://www.artmajeur.com/aldoluiz/
Em tempo; amanajé ré significa mensageiro amigo em tupi guarani.

Compartilhemos

Share |

sábado, 10 de maio de 2014

Dia das mães... A Arte é uma Mãe.


Na véspera do dia das mães, lembrei da Arte...

Ao começo dos anos 80, quando fiz uma bem sucedida exposição na extinta galeria Angelis, em Icaraí, Niterói, decidi dedicar-me apenas a pintura. O pintor Newton Rezende foi meu padrinho nesse novo "parto". Trabalhei mais de dez anos com artes gráficas porque pintura não dá dinheiro. (?) O cara diz: "Eu vou trabalhar e quando me aposentar, vou pintar", mas isso não funciona. E hoje, em projetos gráficos computadorizados, o cara faz o trabalho de seis ou mais funcionários para ganhar o salário de um.

Fazia ainda capas para WEA, era “free-lancer” em 1983, quando comecei a me envolver com o tema carnaval a partir de uma capa de disco recusada pela extinta Polygram, hoje "Universal". Eram regravações de grandes sucessos de carnavais passados, por artistas contemporâneos e famosos. Apresentei o projeto gráfico com o quadro “O penúltimo Carnaval”, óleo sobre tela, 73 cm x 100 cm.. Feito especialmente para aquela capa. Um palhaço bebendo vinho com o pierrô tocando violão numa cena de muitas figuras simbólicas ao fundo.

Recusado!

O quadro recusado.
 Recusado? Ah!, a decepção da recusa. O ego ferido cambaleia e quase morre... Caramba! Uma ilustração para capa de disco que era uma tela de 73 cm x 100 cm... Um filho recusado?! Os artistas não são pais, são "mães"...

No caminho de volta para casa, passei pela WEA onde estava diretor geral meu inesquecível amigo (e ex "chefe") Heleno Oliveira, que olhando para  o quadro, disse: (...) “_ Não esquenta com esse pessoal não, foi demais pra eles! (...) vai pra casa, pinta trinta quadros desses e faz uma exposição que vai ser um sucesso!”.

Bem, isso foi em 1983. Eu estava intoxicado, de tudo, de artes gráficas, frustrações e capas de disco recusadas, de vidas mal vividas, invejas e recusas indigestas. Desandei pintar. A exposição só saiu mesmo em 1987. Galeria Toulouse do Cláudio Valansy, na Avenida Atlântica, em Copacabana.

Sensacional!

Mas, antes disso, foram quatro anos de muitos estudos, desenhos, esboços, e ao final, em dois meses e trinta e cinco telas à óleo de várias dimensões, lá estávamos nós. Tudo isso que não existe mais, com exceção dos quadros, que nunca mais vi, foi mesmo, ao final, uma exposição e grande sucesso. 

O “Clóvis” verde e a morena de costas com penacho vermelho, intitulado "O penúltimo carnaval-II”, foi o carro chefe que virou o convite. Desde aquele dia está na coleção particular do também amigo Umberto Contardi. De lá pra cá explorei o tema. Um veio inesgotável, pois muitos foram os mestres em todas as épocas que abordaram o assunto com genialidade. Hoje não penso nele. Talvez... Quem sabe?

Tudo passa!

Quero pintar! Persigo "a Pintura”. Para tal, sem mais medo algum, ouso no mágico mundo do domínio da ciência das cores, com o auxilio para mim indispensável, das técnicas do desenho em riqueza de massas e linhas. Não há atalhos. As mãos de todos os mestres certamente ajudam, mas, não resolvem, não importa o tema, cada nova tela é um frio na espinha indo selva adentro.

Nesta exposição de 2003 tive 1000 visitantes em um mês e, nenhuma venda... Tudo muda. Tudo passa... Tudo está permanentemente "gerundando"...
Sensacional!
A História da Arte está cheia de exemplos de muito poucos bem sucedidos, o que mostra o quanto a exceção confirma a regra. Seguirei procurando, perseguindo uma pintura emocionada, faxinante, crítica e autocrítica da alma universal e do meu carnaval particular. Faxinando egos pictóricos, carrapatos da criatividade pela criatividade. Aquele carnaval está em extinção... Extinção ou transcendência?

Do meu ser, a ideia do Eu artista, o brasileiro? Pintar pelo prazer de pintar... Do meu prazer de pintar sim, e da minha alegria de estar ainda vivo, também. Do pintar como eu pinto. Sem modismos, sem preocupações de sucesso. Vangoguear a existência que me resta. É uma meta? Um execício do livre arbítrio? – Elis Regina, lembra de mim? - Quem dirá algo de seu, quem dará uma “mensagem” sem derrogar?
 Derrogar - v.t.d. e v.t.i. P.ext. Transgredir uma norma preestabelecida: ela derrogou as regras comportamentais de uma época. (Etm. do latim: derrogare)

(...)“Porque, enfim, nem um herói, não suportaria a perfeição, como provou a mitológica figura grega... Provado fica, se Ulisses, herói, não suportou, em Ogigia, terra dos deuses, da divina Calípso, a “inefável paz e beleza imortal”, a perfeição, a absoluta perfeição, o homem normal, em mais breve tempo que o Herói, da sábia Grécia, seria vencido pelo enfado, onde houvesse, sempre, sem intermitência, a abundância, o repouso, o esquecimento dos cuidados, e as memoráveis conversas que contentam a alma, e, sempre, fosse, bem nutrido, revestido de linhos finos, sem nunca perder a querida força, nem a agudeza do entendimento, nem o calor da facúndia; onde quer que fosse, privado de ver o trabalho, o esforço, a luta e o sofrimento... Porque, ele, o homem insaciável, por destinação natural, tem que viver onde a alma arde no desejo do que se deforma, e se suja, e se espedaça, e se corrompe... E, terá, sempre, nas horas de completa serenidade, de quietude monótona de um lago morno, uma irreprimível saudade do mutável, do vir a ser de novo, e terá saudade da morte! Porque o homem há de, sempre, querer partir para os trabalhos, para as tormentas, para as misérias – para a delicia das coisas imperfeitas!”


O pintor deseja ver uma beleza que o encante. Que é beleza? Está na sua vontade criá-la, e se lhe apraz a evocação de monstros terríveis, de cenas grotescas e ridículas ou comoventes, ele é senhor disso. Poderá fazer, se lhe aprouver, lugares ermos ou recantos sombrios e verdejantes no verão, ou mesmo lugares ardentes quando inverno. Livre arbítrio? 

Inté a próxima.

11 comentários:

  1. Boa noite Aldo, coincidências? Também gosto de pintar, passar para a tela o que eu estou sentindo, mas nunca me atrevi a expor meus quadros. Eles ficam em casa, nas paredes, enfeitando, ou não - dependendo dos sentimentos de cada um, e do sentimento que eu tinha quando o quadro pintei. Aldo,suas pinturas retratam bem a realidade brasileira, não sei porque mas entendo o que você sentia ao pintá-los.
    Gosto também de poesias, as vezes escrevo algumas. Coincidências? Aldo e minha querida Fada do Bosque, recebi hoje um email que me fez chorar, mas ao mesmo tempo me transmitiu uma alegria que há muito tempo eu não sentia. Hoje, 10/05/2014, é e sempre será para mim, um dia inesquecível.
    Abraços ao dois e feliz dia das mães, e dos pãies>
    Wal

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Walfrido, eu o abençoo, é singelo e franco assim o meu agradecimento... Quanto menos "palavro" mais abraço. Sinto muito, me perdoe, o amo, sou grato.

      Excluir
  2. ...Sensibilidade para traduzir o belo surge com o amor, quando não há mais conflitos gerados pelo “eu”. Esse “eu” perturbador que classifica não É! não é mesmo?
    Aldo, sinto que você fará uma exposição de quadros repleta de luz, verdade, perfeição, limpeza, cura. Esse é o verdadeiro sucesso, porque não há um “alguem” a recusar!
    Te Amo com gratidão....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "o belo surge com o amor" e você está cada vez mais bela. Sou feliz por ver sua infinita beleza me iluminando o caminho. Eu a amo, sinto muito, me perdoe, sou grato.

      Excluir
  3. Vangoguear a existência que me resta, boa pedida. Lindos quadros , bjuss querido amigo

    ResponderExcluir
  4. ...Será um sucesso a exposição !!! Eu estou à disposição para colaborar com um marcketing bacana viu!!! beijos e abraços com paz!

    ResponderExcluir
  5. Querido amigo,

    Eles inventaram o sucesso para que assim o ego possa "sentir-se" infeliz ou feliz, no entanto, é sempre a mesma infelicidade, pois é superficial, infecunda, estática, consumível - chegando, muitas vezes, a consumir o Ser. Desse modo, eles podem continuar a reinar, administrando, no mundo, a dor e a alegria, distribuindo-as ao seu bel e ilusório prazer. Mas a Arte, essa que vem da Essência, está incólume, porque brota da mais íntegra decência, é a divina revelação do Ser - a conexão diretamente ligada à Fonte. "Recusado" é tão somente um carimbo, como tantos outros que se põem sobre as mercadorias, porque é assim que eles vêem a tudo e a todos: Mercadorias a deslizarem sobre as esteiras do grande comércio. No entanto, há outros espaços, outros meios, outros caminhos infinitos, em que a Alma dialoga com outras Almas, onde nada nem ninguém é mercadoria, porque somos e tudo é a pura, exata e fina expressão do Amor. Que a luz se manifeste e se derrame em tintas e pincéis. Que venham as novas cores do seu Ser. Deixe-as vir, como num parto natural, apenas pelo Amor, assim como Amor de mãe: Simples - Amor Incondicional.

    Sinta-se abraçado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Aninha. Que venham as novas cores do seu Ser. Deixe-as vir, como num parto natural, apenas pelo Amor, assim como Amor de mãe: Simples - Amor Incondicional. Sinto-me abraçado. Preciso faxinar expectativas...

      Excluir
  6. Querido Aldo, Walfrido, Carol, Ana e todos aqueles que vêm a este lugar virtual de poesia e arte.

    A todos um abraço cheio de alegria, sentimento de amor e compartilha.
    Aldo, realmente é sabedoria maior que não nos apeguemos aquilo que criamos, aquilo que brota através das nossas mãos, o fruto da nossa imaginação. Você é realmente um artista! Livre arbítrio? eheheheh!!
    Tem uma alma do tamanho do mundo e o seu coração reflecte todo esse Amor.
    Aqui estamos todos para lhe dar um grande abraço do tamanho do Mundo.
    Feliz dia das mães... que já passou e não passou, pois é todos os dias... e dos pães! que não faltem nunca! :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Feliz dia das mães pra você também... que já passou e não passou, pois é todos os dias... e dos pães! que não NOS faltem infinitamente! :)

      Excluir
  7. "Não é trabalho do artista dar ao público aquilo que ele quer, senão não seriam o público e sim o artista. É trabalho do artista, dar ao público aquilo que ele necessita." Alan Moore

    Palavras de artista para artista e de Mago para Mago:

    https://www.youtube.com/watch?v=myGiLfMZXGE

    ResponderExcluir

Todos são bem vindos, estamos aqui para compartilhar experiências que nos iluminem, mas, por força de impertinentes baixas vibrações planetárias sou obrigado a moderar os comentários. Para bons comentadores este pingo é letra. Sintam-se em casa. E muito grato pela lúcida carinhosa presença. Venham sempre que lembrarem, se gostarem divulguem, compartilhemos nossas descobertas.Sinto muito, me perdoe, vos amo, sou grato. A faxina é infinita.

Related Posts with Thumbnails