O QUE NÃO SABEMOS NÃO EXISTE.
"Quando Creonte lhe diz “tu és a única, em Tebas, a defender tais opiniões”, Antígona responde com grande lucidez:
"-TODOS OS QUE ME OUVEM OUSARIAM CONCORDAR COMIGO SE O MEDO NÃO LHES FECHASSE A BOCA."
Pensar sempre foi considerado conspiração. Este blogue é parte do inadiável processo de novas escolhas na minha permanente ressonante infinita faxina espiritual. Nosso mundo é o que supomos conhecer, bendita Internet. Perceber e compreender faxinando os programas de jogos de memórias escravagistas que estão milenarmente sabotando a sanidade de nossas existências é a nossa única saída... Nada, religião alguma, lei alguma substituirá a consciente responsabilidade (100%) dos julgamentos, escolhas e decisões de cada um de nós. Ninguém virá nos salvar da escravidão... Só podemos escolher entre o medo catabólico e a gratidão anabólica ao afeto incondicional. Onde há amor não há perdão. A verdadeira maravilhosa revolução é intrapessoal, urgente e intransferível. Nós somos os deuses amorosos pelos quais temos esperado. Somos almas. Mantenhamo-nos na vibração da fé no afeto incondicional, todos os espíritos corações e mentes estamos interconectados na Teia Cósmica.
"O SISTEMA" É PSICOPÁTICO, ALIENÍGENA, INUMANO, PEDÓFILO, ANTROPOFAGICAMENTE CORRUPTO E ESCRAVISTA POR NATUREZA. SÃO "DIABÓLICOS". TODAS AS UTOPIAS HUMANITÁRIAS SÃO CONCESSÕES TÁTICAS DENTRO DA MILENAR ESTRATÉGIA ESCRAVAGISTA.
http://www.artmajeur.com/aldoluiz/
Em tempo; amanajé ré significa mensageiro amigo em tupi guarani.

Compartilhemos

Share |

domingo, 13 de janeiro de 2013

A Venezuela sem Chávez?


"Os números mestres são obtidos quando
uma massa crítica de indivíduos
é capaz de emitir códigos vibratórios específicos.
 
 
Chaves Pleiadianas para a biblioteca viva.


Crer ou não crer, eis a questão.

O fato é que; a nossa vibratória ressoante revolucionária grande obra é interior. Cada macaco no seu galho quadrado. Ilusão querer convencer alguém de qualquer coisa. A pessoa VÊ ou NÃO VÊ. É simples e cruel assim. Crenças e escolhas. Nada de novo? Escrever em um blogue, na balsa do Medusa ou em qualquer outro local é jogar garrafas aos mares cheios de náufragos, afogados, vorazes piratas, jaborstas venenosas e lixos aventureiros...

É verão, domingo, 13, borboletas voam... Navegar não deixa de ser também um perigoso passa tempo. Ainda não pensou nisso? Fanáticos IPs. Somos, todos, egos visionários, cada um ao modo de suas incógnitas impressões digitais, principalmente as digitalizadas...

Só para ficar registrado no buraco negro da Internet sem fundo, vou digitalizar umas coisinhas; acompanho Chávez e seu heróico povo desde o começo. O bbbraszil, e grande parte desse imundo atual, senzalado no labirinto do nada da Guantânamo planetária casa grande escravagista, não tem noção do que é um povo que acordou para a realidade de sua estúpida escravização e descobriu a sua verdadeira força através das amorosas idéias justas. 

Chávez somos todos nós, antiescravagistas... Hugo Chávez trouxe ao seu povo, e ao mundo, as idéias que constroem o homem novo, trouxe de fato, à luz, o amor incondicional. Cuidou e cuida amorosamente de forma incondicional de seu povo. Ele não é o pelego do povo. Ele é o povo. E o povo, aquele que era a senzala que produz e não usufrui, experimentou esta verdade libertadora. 

Um líder é Hugo Chávez, pode ter todos os cânceres que a casa grande escravagista desejar, continuará vivo e infinitamente imortal porque Hugo Rafael Chávez Frías é as incondicionais amorosas idéias justas, não é relho nas costas da massa senzalada e o palavrório politiqueiro corruptor com o qual querem, por aqui, que nos acostumemos aceitar e conviver... 

Que a casa grande escravagista e seus escravos aliados não queiram beber sangue dos venezuelanos nas suas taças de cristal em praça pública em nome da sua "demo(nio)cracia" e sua cretina "ajuda humanitária" como já fez no Brasil, Chile, Líbia, Iraque, Honduras, Paraguai, Palestina e vem pelos séculos saqueando e fazendo desgraceira por aí mundo afora com os Kadafi (Muammar al-Gaddafi) e seus povos. A lista do barbarismo desses institucionalizados genocidas contra a humanidade é desmedida. Escravagistas, são inumanos psicopatas e antropofágicos o bastante para cometerem contra homens, mulheres, velhos e crianças todas as atrocidades, compulsiva e repetidamente. 

Assista este vídeo, informe-se antes de opinar.


Para atualizar sua luz, segue um texto do lúcido Laerte Braga, que li no sábado, 5 de janeiro de 2013. 

A Venezuela sem Chávez
Via Diario Liberdade
Laerte Braga


Quando o embaixador dos EUA no Brasil, à época de Médici, foi dizer ao presidente Nixon que as violações de direitos humanos em nosso País eram chocantes, Nixon respondeu que "é pena, mas não podemos fazer nada, apenas lamento, mas o presidente Medice é um bom aliado".

Nixon foi um dos mais astutos políticos da história recente dos EUA. Vice presidente de Eisenhower por oito anos foi derrotado nas eleições de 1960 por John Kennedy. Dois anos mais tarde perdeu as eleições para o governo da Califórnia e foi dado como "morto" para a política. Em 1968 numa surpreendente recuperação venceu Huber Horacio Humphreys, vice de Lyndon Johnson. Foi reeleito em 1972 e forçado a renunciar à presidência quando descobertas as gravações feitas no edifício Watergate, sede de um dos seus comitês eleitorais.

Richard Nixon foi um dos poucos políticos norte-americanos capazes de fazer frente a J. Edgard Hoover, diretor por décadas do FBI e que tinha por hábito chantagear os presidentes para se manter no cargo e intocado o seu poder. Um gravou o outro, entre outras coisas.

É autor da frase "para onde se inclinar o Brasil, se inclinará a América Latina". Disse isso definindo a importância do Brasil para os Estados Unidos. A América Latina vivia a época de ditadores dos mais variados matizes, mas todos à direita. Desde famílias como Somoza a malucos como Trujillo, passando por Pérez Jimenez na Venezuela, até chegarmos aos militares argentinos, brasileiros, chilenos, peruanos, bolivianos, uruguaios e o famigerado Alfredo Stroessner no Paraguai na América do Sul.

O Brasil continua preso às amarras do golpe militar de 1964. Os golpistas continuam impunes, nossas forças armadas continuam a celebrar o golpe em 1º de abril e os dois últimos governos ao contrário do esperado não viraram à esquerda. Lula equilibrou-se numa corda bamba de alianças as mais complicadas possíveis e Dilma não está vacilando em tomar o rumo à direita.

A América Latina, no entanto, se fez povoar de líderes à esquerda. Evo Morales na Bolívia, Rafael Corrêa no Equador, Daniel Ortega na Nicarágua, Pepe Mujica no Uruguai, com laivos nesse campo Cristina Kirschner na Argentina, Fidel e Raul Castro símbolos da liberdade nesta parte do mundo e Hugo Chávez, um tenente coronel do exército venezuelano que diante da falência plena das instituições em seu país tanto tentou chegar ao poder pela via militar, como terminou presidente e acaba de ser reeleito, pelo voto direto de seu povo.

Superou uma tentativa de golpe de estado em 2002, teve seu mandato confirmado por um referendo popular e na contramão do modelo lulista de alianças com a direita, tratou de organizar os trabalhadores em sua revolução bolivariana. Num país rico em petróleo, um dos maiores produtores no mundo, fez a reforma agrária, cuidou da saúde pública, erradicou o analfabetismo, iniciou um programa de "cidades socialistas" e voltou às costas ao capitalismo.

Apóia abertamente o governo do Irã, nacionalizou empresas estrangeiras que saqueavam a Venezuela, enfrentou Washington sem medos e se ainda hoje a América latina se inclina para onde vai o Brasil, a Venezuela é o país de maior peso na América do Sul nos dias atuais em termos de independência. De soberania.

Um câncer na pélvis está derrotando o presidente reeleito.

Neste início de ano, pela primeira vez, os venezuelanos admitem que podem perder seu líder, em estado de coma induzida num hospital em Havana, Cuba.

"Por que no te calas" disse a Chávez o decadente rei da decadente Espanha numa conferência de países ibero-americanos. Indignou-se com a ousadia do presidente da antiga colônia.

Como será a Venezuela sem Chávez na hipótese do presidente sucumbir ao câncer?

Uma eleição presidencial trinta dias caso Chávez não resista deve favorecer as chavistas, a despeito das pressões tanto das elites e mídia venezuelana (golpista por natureza, o que não faz com que seja diferente da brasileira), como dos norte-americanos empenhados em reconquistar o país, até porque a pérola da América Latina, o Brasil, já está debaixo dos braços dos norte-americanos.

E os governos de Evo Morales e Rafael Corrêa, países próximos da Venezuela diante da mais importante base militar norte-americana na América do Sul, a antiga Colômbia, hoje parte de um plano chamado Grande Colômbia, que inclui a Amazônia brasileira e se estende até o sul, desde o golpe que derrubou o presidente constitucional do Paraguai Fernando Lugo.

Durou pouco a guampada dos países latino-americanos que integram o MERCOSUL, o Brasil principalmente, em manter o Paraguai fora do bloco. Volta em abril depois de alguns meses de castigo voltado para a parede da sala de aula. "Guampada de boi manso", como dizia Getúlio Vargas.

Chávez, a despeito da rejeição de governos ligados aos EUA, é maior, bem maior que Lula na vocação libertária para seu povo, para a classe trabalhadora, mesmo existindo discordâncias quando a determinados aspectos de seu governo.

O ex-presidente brasileiro, em sua política de equilibrismo, vê na prática uma caçada implacável contra si e seus principais companheiros com a perspectiva real de cumprir pena por crimes que existem desde a compra de mais um ano de mandato para José Sarney (por sinal aliado de Lula).

Fernando Henrique não. O mais venal dos presidentes brasileiros desde o "fim" da ditadura (os torturadores ainda estão soltos, então, ainda falta acabar parte do processo) é hoje comentarista da REDE GLOBO, o principal instrumento do espetáculo midiático que reina sobre o Brasil e aliena brasileiros.

O padrão William Bonner, aquele que define o telespectador como Homer Simpson no sentido lato e no sentido estrito como idiota.

E milhões continuam ligando a tevê naquele horário.

Dos líderes sul americanos Chávez é o maior na atualidade. A perspectiva de uma Venezuela sem Chávez é uma convocação a venezuelanos e latinos para enfrentar a ameaça capitalista, a ameaça de Washington, manter intacto e aprofundar processo revolucionário naquele país.

Não se pode excluir o risco de uma intervenção militar norte-americana nas costumeiras farsas que montam para justificar barbaridades como a que acontece no Haiti (com o consentimento de Lula e Dilma), as mentiras de "manter a democracia e os direitos humanos".

Por lá existem e com Chávez. Desde o ato patriótico de Bush, Guantánamo e outras barbáries, os EUA, ao lado de Israel são um conglomerado terrorista a assombrar o mundo com a boçalidade do verdadeiro e real terrorismo.

A Venezuela e sua revolução bolivariana é de todos os latino-americanos.
 Sinto muito, vos amo e sou grato. Acorda aí Brasil!

5 comentários:

  1. Caro Aldo,
    Mesmo pequenas porções do oxigênio corrosivo da liberdade são vitais para desmancharem os grilhões.
    Parabéns pelo texto.
    Grato
    Gilson

    ResponderExcluir
  2. Caro Gilson, grato pela força companheira.

    Um forte abraço.

    ResponderExcluir
  3. Caro Aldo,

    Sem dúvida, Hugo Rafaél Chaves Frias merece esse seu texto.

    Um abraço.

    ResponderExcluir
  4. Parabéns pelo texto, irretocável. Parabéns Laerte sou de Jdf.
    Parabéns Aldo, continue assim, um dia agente consegue e acorda de verdade.
    O operário se elegeu e teve a chance de libertar o seu povo das garras dos imperialistas, por falta de berço, se rendeu a todo o tipo de acordo e por fim sem vendeu e vendeu o seu povo e o futuro do seu país a um preço baixo.

    ResponderExcluir
  5. Grato Carlos, é sempre bem-vindo.

    Ninguém VÊ, estão cegados, mortos vivos, não podem ver os pelegos "governantes" a serviço da casa grande, eterna escravista, com suas enrolações para inglês ver. Deixam de comer para comprar televisão e falar no celular. Ninguém merece.

    Vos amo, sou grato.

    ResponderExcluir

Todos são bem vindos, estamos aqui para compartilhar experiências que nos iluminem, mas, por força de impertinentes baixas vibrações planetárias sou obrigado a moderar os comentários. Para bons comentadores este pingo é letra. Sintam-se em casa. E muito grato pela lúcida carinhosa presença. Venham sempre que lembrarem, se gostarem divulguem, compartilhemos nossas descobertas.Sinto muito, me perdoe, vos amo, sou grato. A faxina é infinita.

Related Posts with Thumbnails