O QUE NÃO SABEMOS NÃO EXISTE.
"Quando Creonte lhe diz “tu és a única, em Tebas, a defender tais opiniões”, Antígona responde com grande lucidez:
"-TODOS OS QUE ME OUVEM OUSARIAM CONCORDAR COMIGO SE O MEDO NÃO LHES FECHASSE A BOCA."
Pensar sempre foi considerado conspiração. Este blogue é parte do inadiável processo de novas escolhas na minha permanente ressonante infinita faxina espiritual. Nosso mundo é o que supomos conhecer, bendita Internet. Perceber e compreender faxinando os programas de jogos de memórias escravagistas que estão milenarmente sabotando a sanidade de nossas existências é a nossa única saída... Nada, religião alguma, lei alguma substituirá a consciente responsabilidade (100%) dos julgamentos, escolhas e decisões de cada um de nós. Ninguém virá nos salvar da escravidão... Só podemos escolher entre o medo catabólico e a gratidão anabólica ao afeto incondicional. Onde há amor não há perdão. A verdadeira maravilhosa revolução é intrapessoal, urgente e intransferível. Nós somos os deuses amorosos pelos quais temos esperado. Somos almas. Mantenhamo-nos na vibração da fé no afeto incondicional, todos os espíritos corações e mentes estamos interconectados na Teia Cósmica.
"O SISTEMA" É PSICOPÁTICO, ALIENÍGENA, INUMANO, PEDÓFILO, ANTROPOFAGICAMENTE CORRUPTO E ESCRAVISTA POR NATUREZA. SÃO "DIABÓLICOS". TODAS AS UTOPIAS HUMANITÁRIAS SÃO CONCESSÕES TÁTICAS DENTRO DA MILENAR ESTRATÉGIA ESCRAVAGISTA.
http://www.artmajeur.com/aldoluiz/
Em tempo; amanajé ré significa mensageiro amigo em tupi guarani.

Compartilhemos

Share |

terça-feira, 27 de março de 2012

A paixão de Jesus

Nas religiões e filosofias há recomendações de “não julgar o próximo”.
O mais próximo somos nós mesmos, e o julgamento e condenação de si é o que há de
mais doloroso, mas... Como ter essa mesma consciência em relação ao próximo, que como
nós, está à mercê de memórias/programas? Como reconhecer que nele habita o Divino
também, apesar das aparências e comportamento? Veja a seguir:
No final do ano passado, li um texto da Ann Barnhardt (http://barnhardt.biz/) sobre a paixão
de Cristo. Compartilhei com algumas pessoas, pois achei tocante, de uma sensibilidade
enorme. Fala sobre como Jesus olhou os seus algozes.
Embora o olhar da Ann, seja do ponto de vista do mundo dual e ela trate do amor nessa
dualidade, ele mostra claramente também o que é o Amor Incondicional e confirma que Ele
não tem oposto – para quem tem olhos para ver.
Aqui está a tradução:
SOU EU! ESTOU AQUI! EU TE AMO!


Não tão rápido. A fim de realmente adentrar no Natal e dar uma sacudida no desastre
cultural secular do consumismo e da ganância em que se tornou, é preciso refletir sobre a
Encarnação. Profundamente. E parece-me que a chave para a compreensão da Encarnação
e, portanto, do Natal, não está no manjedouro em Belém. Não. A pedra angular que une
tudo isso e nos permite começar a compreender o terror infinito (sim, eu uso a palavra
“terror” de propósito) na Majestade do bebê deitado em uma manjedoura, está na verdade,
33 anos depois no Jardim do Getsêmani.

Re: Virando borboleta

Mensagem  Al McAllister em Dom 25 Mar 2012, 11:47
Amigos,

Nesta época de Páscoa, no dia 6 de Abril lembramos a Paixão de Jesus (o julgamento, paixão, crucificação, morte e sepultura). Diz-se que Jesus "morreu pelos nossos pecados", e há toda uma racionalização sobre isso nos múltiplos "igrejianismos". Mas no Portal não existe mistério, se vê com clareza como a "Limpeza" de Jesus é a limpeza subsequente de todos nós, de todos os padrões que limitavam a humanidade na sua capacidade de enxergar a realidade de Ser.

Como assim? No Campo da Potencialidade Pura do Ser (que presenciamos no Portal) vemos como somos pontos de concentração da Intenção Individualizada da Divindade. Esses pontos individuais, únicos, são cada um de nós, no mesmo "tecido" da Substância Criadora. Por isso somos todos Um.

Assim, a Paixão de Jesus, é a limpeza de todos esses padrões compartilhados, Ele é verdadeiramente o Salvador, pois é o Exemplo de como se assume a responsabilidade pelo o que se sente, e a limpeza do mesmo. E digo isso com a convicção da minha vivência em tudo que é disciplina mística/espiritual: Não houve antes, nem depois, por mais que as intelectualidades racionalizam, queiram O colocar em um patamar de como se fosse mais um "avatar", ser "crístico", "buda", ninguém como Jesus.

Baixe aqui um texto da Ann Barnhardt onde ela descreve a escolha de Jesus.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos são bem vindos, estamos aqui para compartilhar experiências que nos iluminem, mas, por força de impertinentes baixas vibrações planetárias sou obrigado a moderar os comentários. Para bons comentadores este pingo é letra. Sintam-se em casa. E muito grato pela lúcida carinhosa presença. Venham sempre que lembrarem, se gostarem divulguem, compartilhemos nossas descobertas.Sinto muito, me perdoe, vos amo, sou grato. A faxina é infinita.

Related Posts with Thumbnails