O QUE NÃO SABEMOS NÃO EXISTE.
"Quando Creonte lhe diz “tu és a única, em Tebas, a defender tais opiniões”, Antígona responde com grande lucidez:
"-TODOS OS QUE ME OUVEM OUSARIAM CONCORDAR COMIGO SE O MEDO NÃO LHES FECHASSE A BOCA."
Pensar sempre foi considerado conspiração. Este blogue é parte do inadiável processo de novas escolhas na minha permanente ressonante infinita faxina espiritual. Nosso mundo é o que supomos conhecer, bendita Internet. Perceber e compreender faxinando os programas de jogos de memórias escravagistas que estão milenarmente sabotando a sanidade de nossas existências é a nossa única saída... Nada, religião alguma, lei alguma substituirá a consciente responsabilidade (100%) dos julgamentos, escolhas e decisões de cada um de nós. Ninguém virá nos salvar da escravidão... Só podemos escolher entre o medo catabólico e a gratidão anabólica ao afeto incondicional. Onde há amor não há perdão. A verdadeira maravilhosa revolução é intrapessoal, urgente e intransferível. Nós somos os deuses amorosos pelos quais temos esperado. Somos almas. Mantenhamo-nos na vibração da fé no afeto incondicional, todos os espíritos corações e mentes estamos interconectados na Teia Cósmica.
"O SISTEMA" É PSICOPÁTICO, ALIENÍGENA, INUMANO, PEDÓFILO, ANTROPOFAGICAMENTE CORRUPTO E ESCRAVISTA POR NATUREZA. SÃO "DIABÓLICOS". TODAS AS UTOPIAS HUMANITÁRIAS SÃO CONCESSÕES TÁTICAS DENTRO DA MILENAR ESTRATÉGIA ESCRAVAGISTA.
http://www.artmajeur.com/aldoluiz/
Em tempo; amanajé ré significa mensageiro amigo em tupi guarani.

Compartilhemos

Share |

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

A DESCOBERTA DA PÓLVORA / AOS MEUS NETOS COM CARINHO


A DESCOBERTA DA PÓLVORA


Laerte Braga


O que querem os jovens árabes? Ocidentalizar seus países, jogar por terra uma cultura de milênios e instalar em cada esquina uma loja da cadeia MaDonalds substituindo seus valores por um hambúrguer e um monte de suas variedades?


Coca cola, tênis de marca, jeans que soa como liberdade?


Só é possível entender uma revolução contra regimes ditatoriais de figuras abjetas, caso do presidente do Egito o general Hosni Mubarak, ou o da Líbia, o coronel Muamar Gaddafi, o do Iêmen, do Barein, o rei saudita, se houver um propósito definido nessa ânsia de democracia.

Democracia tutelada pelos generais egípcios com Mubarak numa estação de veraneio?


Democracia na definição clássica “é o governo do povo, pelo povo e para o povo”. A intervenção norte-americana (por enquanto através de pressão e controle exercido sobre os militares do Egito) sepulta qualquer chance de democracia.


Aceitar passivamente a política terrorista do governo de Israel, ignorar o drama do povo palestino?


No final da semana passada os EUA vetaram uma resolução aprovada pelo Conselho de Segurança da ONU que condenava os assentamentos israelenses em terras palestinas. O direito de veto das chamadas grandes potências equivale ao de definir o mundo ao sabor dos seus interesses.


O governo egípcio de Hosni Mubarak vendia petróleo a Israel por preços abaixo dos do mercado internacional por conta de um acordo feito debaixo de fortes pressões norte-americanas e os generais continuam a honrar o desonroso acordo.


A passagem de navios da Marinha do Irã pelo Canal de Suez provocou protestos de Israel e o governo de Barack Obama disse que iria “monitorar” o canal.


Uai! Quem manda no Egito? Os egípcios ou os norte-americanos E seus generais cheios de medalhas por ajudar velhinha a atravessar a rua, ou por cárceres cheios de opositores torturados?


As “preocupações” da comunidade internacional com as revoltas nos países árabes cingem-se aos “negócios”, aos seus interesses e a garantia da impunidade das práticas terroristas do governo de Israel.


Não existe nenhuma comoção com a vontade dos povos árabes de encontrar seu próprio caminho a partir de seus valores, suas vontades, pois na cabeça dos norte-americanos o que não é “made in USA” não presta.
As forças armadas desses países, em sua esmagadora maioria, está corrompida pelos ditadores e pelos EUA (não é o caso da Líbia, por enquanto)


Militares como Gadfafi promovem revoluções libertárias e nacionalistas e ao se instalar no poder jogam o ideário fora, criam verdadeiras aberrações em matéria de ditaduras, se ditadura, qualquer uma, por si só, não seja em si uma aberração.


A região é rica em petróleo. A guerra do Iraque foi montada em cima de uma farsa – armas químicas e biológicas – para que norte-americanos e suas colônias européias pudessem – como fizeram – ratear o petróleo.


São os povos árabes, só os povos árabes que devem decidir e definir os rumos que pretendem.


Quando o governo de extrema-direita da França fala em violência na Líbia, esquece-se da violência de franceses contra os argelinos na luta pela independência do País. Nem tão remota assim, nas décadas de 50 e 60 do século passado. Menos ou pouco mais de 50 anos.


Quando Barack Obama vai compungido para as redes de tevê no show do conglomerado EUA/ISREAL TERRORISMO S/A falar em liberdades e direitos humanos nem se lembra do campo de concentração de Guantánamo, das prisões no Iraque, ou de bombardeios – sábado houve outro – contra civis no Afeganistão e muito menos das revelações feitas pelo site WIKILEAKS sobre a barbárie norte-americana em cada canto do mundo.


Do massacre de civis na Colômbia, no Haiti (com a cumplicidade dócil e submissão do governo brasileiro).


Investem logo contra o Irã. O demônio preferido do momento. Os presidentes no Irã são eleitos pelo voto e após a revolução islâmica seis iranianos já presidiram o país.


A falta de lideranças de oposição nos países árabes acaba por permitir que velhos generais mantenham o poder, mantenham as estruturas das ditaduras e a submissão aos EUA. É o que está acontecendo no Egito.


Massacre! Existe na história da humanidade massacre maior que as bombas despejadas sobre Hiroshima e Nagazaki?


Ou o napalm sobre as florestas do Vietnã? O uso de balas de urânio empobrecido contra iraquianos pelos rapazes de Bush e Obama?


Só aos povos árabes cabe decidir o seu destino.


Que diferença existe em Obama e Gaddafi exceto no fato de Obama dispor de Hollywood e bons diretores para sua farsa?


O que é Obama além de um pastel de vento na força predadora e estúpida de um conglomerado terrorista – EUA/ISRAEL TERRORISMO S/A –.


A democracia e a liberdade, os direitos humanos do ponto de vista dos EUA terminam quando seus aliados são ameaçados, suas colônias na Ásia, na África, na Europa?


Há todo um processo de barbárie implementado a partir de Washington. De um poder imperial e sem entranhas, onde o próprio povo norte-americano começa a ser cada vez mais entorno do conglomerado que governa o país e dia a dia vai se tornando mais doente na doença do capitalismo, no fundamentalismo do deus mercado, no terror de arsenais nucleares.


No Brasil não é muito diferente. A democracia tem forma na Constituição, mas a Polícia Militar do Estado de São Paulo prende e algema uma professora que trazia em sua bolsa um tablete de rapadura achando que fosse uma droga.


Ou na escrivã, também São Paulo, que é despida por delegados para ser revistada numa brutal violência contra a mulher.


Esse tipo de violência é intrínseco ao poder totalitário entranhado na cultura dos povos do mundo inteiro por conta desse tentáculo terrorista EUA/ISRAEL TERRORISMO S/A.


Invadem uma favela e matam dois inocentes alegando que estavam travando tiroteio com traficantes. Quantos policiais não sobem aos morros para buscar a “gratificação”?


O que tem uma coisa a ver com a outra? A ditadura escancarada em muitos países a forma “suave” de barbárie que permeia todas as nações do mundo.


Ao apagar das luzes da ditadura militar no Brasil o general Octávio Medeiros, um dos mais influentes ministros de Figueiredo, disse a jornalistas que eleições diretas só em 1990, isso em plena campanha DIRETAS JÁ.


Medeiros foi um dos responsáveis pelo atentado fracassado do Riocentro.


O que ocorre nos países árabes é um preâmbulo do futuro de países latinos, asiáticos e africanos submetidos a democracias construídas sobre escombros de ditaduras, ou a ditaduras mesmo.


É um processo, é a história.


O que os árabes estão a fazer é a descoberta da pólvora. De uma forma ou de outra, mesmo que não saibam que caminho tomar numa eventual bifurcação, cabe a eles, só a eles decidir o destino de seus países.


O conglomerado terrorista EUA/ISRAEL TERRORISMO S/A quer apenas comprar borracha e vender pneu.


E controlar generais especialistas em ajudar velhinhas a atravessar a rua. Dá direito a medalha.


Pode também gostar de ler este
http://www.infinitoemexpansao.com/cobalto.php

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos são bem vindos, estamos aqui para compartilhar experiências que nos iluminem, mas, por força de impertinentes baixas vibrações planetárias sou obrigado a moderar os comentários. Para bons comentadores este pingo é letra. Sintam-se em casa. E muito grato pela lúcida carinhosa presença. Venham sempre que lembrarem, se gostarem divulguem, compartilhemos nossas descobertas.Sinto muito, me perdoe, vos amo, sou grato. A faxina é infinita.

Related Posts with Thumbnails