O QUE NÃO SABEMOS NÃO EXISTE.
"Quando Creonte lhe diz “tu és a única, em Tebas, a defender tais opiniões”, Antígona responde com grande lucidez:
"-TODOS OS QUE ME OUVEM OUSARIAM CONCORDAR COMIGO SE O MEDO NÃO LHES FECHASSE A BOCA."
Pensar sempre foi considerado conspiração. Este blogue é parte do inadiável processo de novas escolhas na minha permanente ressonante infinita faxina espiritual. Nosso mundo é o que supomos conhecer, bendita Internet. Perceber e compreender faxinando os programas de jogos de memórias escravagistas que estão milenarmente sabotando a sanidade de nossas existências é a nossa única saída... Nada, religião alguma, lei alguma substituirá a consciente responsabilidade (100%) dos julgamentos, escolhas e decisões de cada um de nós. Ninguém virá nos salvar da escravidão... Só podemos escolher entre o medo catabólico e a gratidão anabólica ao afeto incondicional. Onde há amor não há perdão. A verdadeira maravilhosa revolução é intrapessoal, urgente e intransferível. Nós somos os deuses amorosos pelos quais temos esperado. Somos almas. Mantenhamo-nos na vibração da fé no afeto incondicional, todos os espíritos corações e mentes estamos interconectados na Teia Cósmica.
"O SISTEMA" É PSICOPÁTICO, ALIENÍGENA, INUMANO, PEDÓFILO, ANTROPOFAGICAMENTE CORRUPTO E ESCRAVISTA POR NATUREZA. SÃO "DIABÓLICOS". TODAS AS UTOPIAS HUMANITÁRIAS SÃO CONCESSÕES TÁTICAS DENTRO DA MILENAR ESTRATÉGIA ESCRAVAGISTA.
http://www.artmajeur.com/aldoluiz/
Em tempo; amanajé ré significa mensageiro amigo em tupi guarani.

Compartilhemos

Share |

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

MÉDICOS DE CUBA NO HAITI, A SOLIDARIEDADE SILENCIADA e Porque razão os Óscares são uma trapaça



Porque razão os Óscares são uma trapaça


por John Pilger



Na sua última coluna para o New Statesman, John Pilger interroga-se porque é que directores e escritores permitem que a fórmula da propaganda de Holywood domine os filmes, com uma acesa disputa pelos Óscares a obscurecer um milhão de iraquianos mortos, e Clint Eastwood a esconder a verdade da luta contra o apartheid enquanto George Clooney se diverte com os mesmos velhos estereótipos.

. Porque é que há tantos filmes tão maus? As nomeações para os Óscares deste ano são um desfile de propaganda, de estereótipos e de total desonestidade. O tema dominante é tão velho como Hollywood: o direito divino da América a invadir outras sociedades, roubar a sua história e ocupar a nossa memória. Quando é que directores e escritores se vão comportar como artistas em vez de prostitutos em relação à visão de um mundo dedicado ao controlo e à destruição?

Cresci com o mito dos filmes do Oeste Selvagem, que era bastante inofensivo a não ser que se fosse um americano nativo. A fórmula mantém-se inalterada. Distorções auto-apreciativas apresentam a nobreza dos agressores coloniais americanos como uma capa para massacres, desde as Filipinas ao Iraque. Só entendi perfeitamente o poder do engano quando fui enviado para o Vietname como repórter de guerra. Os vietnamitas eram "chinas" e "índios" cujo assassínio industrial tinha sido pré-comandado nos filmes de John Wayne e era remetido a Hollywood para o tornar mais romântico ou para o redimir.

Estou a usar a palavra assassínio com alguma cautela, porque o que Hollywood faz de forma brilhante é suprimir a verdade acerca dos ataques da América. Não há guerras, mas apenas a exportação de uma "cultura" homicida, viciada em pistolas. E quando se desgasta a noção de psicopatas enquanto heróis, o banho de sangue torna-se numa "tragédia americana" com uma banda sonora de pura ansiedade.

A Guerra ao Terror (The Hurt Locker) de Kathryn Bigelow insere-se nesta tradição. Favorito a múltiplos Óscares, o filme dela é "melhor do que qualquer documentário que já vi sobre a guerra no Iraque. É tão real que até mete medo". (Paul Chambers CNN). Peter Bradshaw no Guardian considera que ele tem uma "clareza despretensiosa" e trata "do prolongado e doloroso jogo de guerra no Iraque" que "diz mais sobre a agonia e a injustiça e a tragédia da guerra do que todos os mais sérios filmes de boas intenções".

Que absurdo. Este filme proporciona uma excitação indirecta através de mais uma escalada psicopata do padrão de violência num país de outro povo onde as mortes de um milhão de pessoas estão condenadas ao esquecimento cinematográfico. A publicidade exagerada em torno de Bigelow é que ela pode ser a primeira mulher directora a ganhar um Óscar. Que insulto que é uma mulher ser premiada por um filme de guerra, uma coisa tipicamente masculina.

Os elogios repetem os que foram feitos ao Caçador (The Deer Hunter) (1978) que os críticos aclamaram como "o filme que podia purificar a culpa de uma nação!" O Caçador enaltecia aqueles que haviam provocado as mortes de mais de três milhões de vietnamitas enquanto reduzia aqueles que tinham resistido a figuras de bárbaros comunas. Em 2001, o filme Cercados (Black Hawk Down) de Ridley Scott proporcionou uma catarse semelhante, embora menos subtil, para outro nobre fracasso americano na Somália, pintando ao de leve os heróis que massacraram mais de 10 mil somalis.

Em contraste, o destino de um filme de guerra americano admirável, Redacted [não exibido em Portugal – N.T.], é esclarecedor. Feito em 2007 por Brian de Palma, o filme baseia-se na história verdadeira do sequestro de uma adolescente iraquiana e do assassínio da sua família por soldados americanos. Não há heroísmo, não há purificação. Os assassinos são assassinos e a cumplicidade de Hollywood e dos meios de comunicação no épico crime no Iraque é descrita perspicazmente por De Palma. O filme acaba com uma série de fotografias de civis iraquianos assassinados. Quando o obrigaram a escurecer as caras deles "por razões de ordem legal", De Palma disse, "Acho que é uma coisa terrível porque agora nem sequer podemos dar a dignidade dos rostos a este povo sofredor. A grande ironia quanto a Redacted é que ele acabou por ser emendado (redacted) ". Depois de uma exibição limitada nos EUA, este óptimo filme acabou por desaparecer.

Considera-se que a humanidade não americana (ou não ocidental) não faz bilheteira, quer esteja morta quer viva. Eles são os "outros" que, na melhor das hipóteses, podem ser salvos por "nós". Em Avatar, a enorme e violenta fábrica de dinheiro, em 3-D, de James Cameron, os nobres selvagens conhecidos por Na'vi precisam de um bom soldado americano, o sargento Jake Sully, para os salvar. Isso confirma que eles são "bons". Claro.

O meu Óscar para o pior das actuais nomeações vai para Invictus, o insulto untuoso de Clint Eastewood à luta contra o apartheid na África do Sul. Feito a partir de uma hagiografia de Nelson Mandela escrita por um jornalista britânico, John Carlin, o filme podia ter servido como propaganda do apartheid. Ao promover a cultura racista, dos brutamontes do râguebi, como uma panaceia da "nação arco-íris", Eastwood quase não dá a entender que muitos sul-africanos negros ficaram profundamente envergonhados e magoados pela adesão de Mandela ao odiado Veado, símbolo do seu sofrimento. Obscurece a violência branca – mas não a violência negra, que está sempre presente como uma ameaça. Quanto aos racistas bóeres, têm corações de ouro, porque "não sabíamos de nada". O tema subliminar é demasiado familiar: o colonialismo merece perdão e adaptação, nunca justiça.

A princípio julguei que Invictus não podia ser levado a sério, depois olhei à minha volta no cinema para os jovens e para outras pessoas que não têm a experiência do apartheid, e compreendi os estragos que uma máscara inteligente faz na nossa memória e nas suas lições morais. Imaginem Eastwood a fazer uma coisa equivalente sobre os escravos felizes no Sul americano profundo. Não se atrevia.

O filme mais nomeado para um Óscar e promovido pelos críticos é Nas Nuvens (Up in the Air), que põe George Clooney a viajar pela América a despedir pessoas e a juntar pontos de passageiro frequente. Antes de a banalidade se dissolver no sentimentalismo, aparecem todos os estereótipos, em especial os das mulheres. Há uma prostituta, uma santa e uma vigarista. Mas é "um filme para a nossa época", diz o director Jason Reitman, que se gaba de ter gente realmente despedida. "Entrevistámo-los sobre o que era perder o emprego nesta economia", disse ele, "depois despedimo-los em frente da câmara e pedimos-lhes que reagissem da mesma forma que tinham reagido quando perderam o emprego. Foi uma experiência incrível observar estes amadores com 100 por cento de realismo".

Uau, que vencedor!
11/Fevereiro/2010
O original encontra-se em http://www.johnpilger.com/page.asp?partid=566 . Tradução de Margarida Ferreira.

Este artigo encontra-se em http://resistir.info/ .

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos são bem vindos, estamos aqui para compartilhar experiências que nos iluminem, mas, por força de impertinentes baixas vibrações planetárias sou obrigado a moderar os comentários. Para bons comentadores este pingo é letra. Sintam-se em casa. E muito grato pela lúcida carinhosa presença. Venham sempre que lembrarem, se gostarem divulguem, compartilhemos nossas descobertas.Sinto muito, me perdoe, vos amo, sou grato. A faxina é infinita.

Related Posts with Thumbnails