O QUE NÃO SABEMOS NÃO EXISTE.
"Quando Creonte lhe diz “tu és a única, em Tebas, a defender tais opiniões”, Antígona responde com grande lucidez:
"-TODOS OS QUE ME OUVEM OUSARIAM CONCORDAR COMIGO SE O MEDO NÃO LHES FECHASSE A BOCA."
Pensar sempre foi considerado conspiração. Este blogue é parte do inadiável processo de novas escolhas na minha permanente ressonante infinita faxina espiritual. Nosso mundo é o que supomos conhecer, bendita Internet. Perceber e compreender faxinando os programas de jogos de memórias escravagistas que estão milenarmente sabotando a sanidade de nossas existências é a nossa única saída... Nada, religião alguma, lei alguma substituirá a consciente responsabilidade (100%) dos julgamentos, escolhas e decisões de cada um de nós. Ninguém virá nos salvar da escravidão... Só podemos escolher entre o medo catabólico e a gratidão anabólica ao afeto incondicional. Onde há amor não há perdão. A verdadeira maravilhosa revolução é intrapessoal, urgente e intransferível. Nós somos os deuses amorosos pelos quais temos esperado. Somos almas. Mantenhamo-nos na vibração da fé no afeto incondicional, todos os espíritos corações e mentes estamos interconectados na Teia Cósmica.
"O SISTEMA" É PSICOPÁTICO, ALIENÍGENA, INUMANO, PEDÓFILO, ANTROPOFAGICAMENTE CORRUPTO E ESCRAVISTA POR NATUREZA. SÃO "DIABÓLICOS". TODAS AS UTOPIAS HUMANITÁRIAS SÃO CONCESSÕES TÁTICAS DENTRO DA MILENAR ESTRATÉGIA ESCRAVAGISTA.
http://www.artmajeur.com/aldoluiz/
Em tempo; amanajé ré significa mensageiro amigo em tupi guarani.

Compartilhemos

Share |

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

AQUECIMENTO GLOBAL É UMA VASTA MENTIRA Osama Bin Laden foi aposentado e ninguem fala de H.A..A..R.P. ou CHEMRAILS



Quatro frases que fazem crescer o nariz de Pinóquio
Eduardo Galeano

“Somos todos culpados da ruína do planeta”

A saúde do mundo é uma bagunça. “Somos todos responsáveis”, choram as vozes de alarme universal, e a generalização absolve: se todos somos responsáveis, ninguém o é.
Como coelhos reproduzem-se novos tecnocratas do meio ambiente. A taxa de natalidade é a mais alta do mundo: peritos geram peritos e mais peritos que trabalham para envolver a questão no papel celofane da ambigüidade. Eles fabricam a nebulosa linguagem da chamado para ‘o sacrifício de todos” nas declarações dos governos e nos solenes acordos internacionais que ninguém cumpre.
As cataratas de palavras - uma inundação que ameaça tornar-se uma catástrofe ecológica comparável ao buraco da camada de ozônio - não se desencadeiam gratuitamente. A linguagem oficial afoga a realidade para conceder impunidade à sociedade de consumo, aos que a impõem como modelo em nome do desenvolvimento e das grandes empresas que lhe saboreiam o suco.
Mas as estatísticas confessam. Os dados revelam, escondidos sob o palavrório, que 20 por cento da humanidade comete 80 por cento das agressões contra a natureza, os crimes que os assassinos chamam suicídio, e a humanidade é quem paga as consequências da degradação das terras, do envenenamento do ar, da contaminação da água, da loucura do clima e do desperdício de recursos naturais não-renováveis.
A Sra. Harlem Brundtland, que dirige o governo da Noruega, recentemente comprovou que se os sete bilhões de habitantes do planeta consumissem o mesmo que os dos países desenvolvidos ocidentais, “seriam necessários dez planetas como o nosso para satisfazer todas as suas necessidades”. Uma experiência impossível.
Mas os governantes dos países do Sul que prometem a entrada no Primeiro Mundo, passaporte mágico que nos fará todos ricos e felizes, não deveriam apenas ser processados por fraude. Não só debochando de nós, não. Esses governantes estão cometendo o crime de apologia do crime. Porque este sistema de vida que é nos oferecida como paraíso, fundado na exploração dos outros e na aniquilação da natureza, é aquele que está adoecendo o corpo, envenenando a alma e nos deixando sem mundo.
“É verde o que está pintado de verde”
Agora, os gigantes da indústria química fazem sua publicidade na cor verde, e o Banco Mundial limpa sua imagem repetindo a palavra ecologia em cada página dos seus relatórios e tingindo de verde seus empréstimos. “Nas condições de nossos empréstimos há normas ambientais rigorosas”, diz o presidente da banca suprema do mundo. Somos todos ecologistas, até que alguma medida concreta restrinja a liberdade de contaminação.
Quando passou no Parlamento do Uruguai, uma tímida lei de proteção do ambiente, as empresas que lançam veneno no ar, água e podridão, de repente tiraram a recém-comprada máscara verde e gritaram a sua verdade em palavras que poderiam ser resumidas como: “os conservacionistas são advogados da pobreza, dedicados a sabotar o desenvolvimento econômico e a espantar o investimento estrangeiro.
O Banco Mundial, no entanto, é o principal promotor da riqueza, desenvolvimento e investimento estrangeiro. Talvez por tamanhas virtudes, o Banco vai gerir, em conjunto com a ONU, o recém-criado Global Environment Facility.
Esse imposto consciência culpada vai ter poucos recursos, cem vezes menos do que os ambientalistas tinham pedido para financiar projetos que não destruam a natureza. Intenção irrepreensível, conclusão inevitável: se esses projetos requerem um fundo especial, o Banco Mundial está admitindo, de fato, que todos os seus outros projetos prestam  um desserviço ao meio ambiente.
O Banco se chama Mundial, como o Fundo Monetáriose chama  Internacional.Mas estes irmãos gêmeos vivem, decidem e cobram em Washington. Quem paga, manda. E a numerosa tecnocracia jamais cospe prato onde come. Sendo, como é, o principal credor do Terceiro Mundo, o Banco Mundial governa nossos países cativos - que pagam 250 mil dólares por minuto pelo  serviço da dívida a credores externos - e impõe a sua política econômica em função do dinheiro que concede ou promete.
O endeusamento do mercado, comprando menos e pagando menos e menos, permite um mágico recheio de quinquilharias as grandes cidades do Sul, drogadas pela religião do consumo, enquanto os campos se esgotam, apodrece a água que os alimenta e uma crosta seca cobre os desertos que antes eram florestas.
“Entre o capital e o trabalho, o ambiente é neutro”
Se pode dizer qualquer coisa de Al Capone, mas ele era um cavalheiro: o bom Al sempre enviava flores para os funerais das vítimas … As empresas gigantes da química, petróleo e carros pagaram por grande parte do custo da ECO-92 .
A conferência internacional no Rio de Janeiro tratou da agonia do planeta. E essa conferência, chamada Cúpula da Terra, não condenou as transnacionais que produzem poluição e dela vivem, e nem mesmo pronunciou uma palavra contra a ilimitada liberdade de comércio, que permite a venda de veneno.
Na grande baile de máscaras do fim do milênio, até a indústria química está vestida de verde. A angústia ecológica perturba o sono dos maiores laboratórios do mundo, para ajudar a natureza estão inventando novos cultivos biotecnológicos.
Mas desvelos científicos não pretendem encontrar plantas mais resistentes às pragas sem ajuda química, mas buscar novas plantas capazes de resistir a pesticidas e herbicidas que esses mesmos laboratórios produzem. Das 10 maiores empresas produtoras de sementes do mundo, seis produzem pesticidas (Sandoz, Ciba-Geigy, Dekalb, Pfiezer Upjohn, Shell, ICI).
A indústria química não tem tendências masoquistas. A recuperação do planeta ou o que resta dele implica a alegação de impunidade do dinheiro e da liberdade humana. Ecologia neutra, que mais parece jardinagem, é cúmplice da injustiça de um mundo onde a comida saudável, água limpa, ar puro e silêncio não são direitos de todos, mas privilégios dos poucos que podem pagar .
Chico Mendes, o seringueiro, foi assassinado no final de 1988 na Amazônia brasileira, por acreditar no que ele acreditava: que o ativismo ambiental não pode ser divorciado da luta social. Chico acreditava que a floresta amazônica não será salva, a menos que se faça a reforma agrária no Brasil.
Cinco anos após o crime, os bispos brasileiros denunciam que mais de 100 trabalhadores rurais são assassinados a cada ano na luta pela terra, e estimam que quatro milhões de camponeses desempregados migram desde as plantações do interior para as cidades. Ajustando isso ás dimensões de cada país, a declaração de bispos retrata toda a América Latina. Cidades latino-americanas, inchadas até estourar pela invasão incessante de exilados do campo, são uma catástrofe ecológica, uma catástrofe que não pode ser entendida ou revertida dentro dos limites da ecologia, surda aos gritos e cega para o compromisso político .
“A natureza está além de nós”
Em seus 10 mandamentos, Deus esqueceu de mencionar a natureza. Entre as ordens enviadas no Monte Sinai, o Senhor poderia ter acrescentado: “Honre a natureza da qual faz parte”. Mas isso não ocorreu. Cinco séculos atrás, quando a América foi capturada pelo mercado mundial, a civilização invasora confundiu ecologia com idolatria. A comunhão com a natureza era pecado. E merecia castigo.
Segundo as crônicas da Conquista, índios nômades que usavam cascas, nunca o tronco inteiro, para não destruir a árvore, e os índios sedentários alternavam diversas culturas e períodos de descanso, para não cansar o solo. A civilização vinha, impunha  as devastadoras monoculturas de exportação e não podia entender a cultura integrada com a natureza, e as confundiu com a vocação demoníaca ou com a ignorância.
Para a civilização que se dizia ocidental e cristã, a  natureza era uma besta selvagem que se tinha de domar e castigar para que funcionasse como uma máquina, anosso serviço para todo o sempre. A natureza, que era eterna, deveria ser nossa escrava.
Muito recentemente soubemos que a natureza se cansa, como nós, seus filhos,nos cansamos. E soubemos que, como nós, pode morrer assassinada. Já não se fala em escravizar a natureza, e agora até os seus algozes dizem que querem protegê-la. Mas em um ou noutro caso, a natureza subjugada ou a natureza protegida, ela está fora de nós.
A civilização que confunde os relógios com tempo, o crescimento com o desenvolvimento, e os grandes com a grandeza, também confunde a natureza com a paisagem, enquanto o mundo, um labirinto sem centro, dedica-se a romper seus próprio céus.

Leia também
E ninguém fala de H.A.A.R.P.
sinto muito, sou grato

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos são bem vindos, estamos aqui para compartilhar experiências que nos iluminem, mas, por força de impertinentes baixas vibrações planetárias sou obrigado a moderar os comentários. Para bons comentadores este pingo é letra. Sintam-se em casa. E muito grato pela lúcida carinhosa presença. Venham sempre que lembrarem, se gostarem divulguem, compartilhemos nossas descobertas.Sinto muito, me perdoe, vos amo, sou grato. A faxina é infinita.

Related Posts with Thumbnails