O QUE NÃO SABEMOS NÃO EXISTE.
"Quando Creonte lhe diz “tu és a única, em Tebas, a defender tais opiniões”, Antígona responde com grande lucidez:
"-TODOS OS QUE ME OUVEM OUSARIAM CONCORDAR COMIGO SE O MEDO NÃO LHES FECHASSE A BOCA."
Pensar sempre foi considerado conspiração. Este blogue é parte do inadiável processo de novas escolhas na minha permanente ressonante infinita faxina espiritual. Nosso mundo é o que supomos conhecer, bendita Internet. Perceber e compreender faxinando os programas de jogos de memórias escravagistas que estão milenarmente sabotando a sanidade de nossas existências é a nossa única saída... Nada, religião alguma, lei alguma substituirá a consciente responsabilidade (100%) dos julgamentos, escolhas e decisões de cada um de nós. Ninguém virá nos salvar da escravidão... Só podemos escolher entre o medo catabólico e a gratidão anabólica ao afeto incondicional. Onde há amor não há perdão. A verdadeira maravilhosa revolução é intrapessoal, urgente e intransferível. Nós somos os deuses amorosos pelos quais temos esperado. Somos almas. Mantenhamo-nos na vibração da fé no afeto incondicional, todos os espíritos corações e mentes estamos interconectados na Teia Cósmica.
"O SISTEMA" É PSICOPÁTICO, ALIENÍGENA, INUMANO, PEDÓFILO, ANTROPOFAGICAMENTE CORRUPTO E ESCRAVISTA POR NATUREZA. SÃO "DIABÓLICOS". TODAS AS UTOPIAS HUMANITÁRIAS SÃO CONCESSÕES TÁTICAS DENTRO DA MILENAR ESTRATÉGIA ESCRAVAGISTA.
http://www.artmajeur.com/aldoluiz/
Em tempo; amanajé ré significa mensageiro amigo em tupi guarani.

Compartilhemos

Share |

sexta-feira, 24 de julho de 2009

Luto no 4 de Julho, por John Pilger



“... O que é mais extraordinário acerca dos Estados Unidos de hoje é a rejeição e o desafio, em tantas atitudes, à propaganda histórica e contemporânea que tudo permeia do "governo invisível".

Inquéritos críveis confirmaram há muito que mais de dois terços dos americanos mantêm pontos de vista progressistas. A maioria quer que o governo cuide daqueles que não podem cuidar-se a si próprios. Eles pagariam impostos mais altos para garantir cuidados de saúde para toda a gente. Querem completar o desarmamento nuclear, 72 por cento quer que os EUA finalize as suas guerras coloniais; e assim por diante. São informados, subversivos e até "anti-americanos".


“O objectivo, acima de tudo, era distrair e desviar os impulsos democráticos e sociais do povo trabalhador. O big business, com a sua reputação pública de uma espécie de máfia, foi elevado à de força patriótica. A "livre empresa" tornou-se uma divindidade. "No princípio da década de 1950", escreveu Noam Chomsky, "20 milhões de pessoas por semana estavam a assistir filmes patrocinados pelos negócios. A indústria do entretenimento foi alistada na causa, retratando os sindicatos como o inimigo, o intruso que rompe a "harmonia" do "American way of life"... Todo aspecto da vida social era visado e permeava escolas, universidades, igrejas e mesmo programas recreativos. Por volta de 1954, a propaganda de negócios nas escolas públicas atingiu a metade da quantia gasta com manuais escolares.

O novo "ismo" era americanismo, uma ideologia cuja distinção é negar que seja uma ideologia. Recentemente, vi o musical de 1957 Silk Stockings, estrelado por Fred Astaire e Cyd Charisse. Entre as cenas de dança maravilhosas e uma actuação de Cole Porter havia uma série de declarações de lealdade que aquele coronel no Vietname poderia muito bem ter escrito. Eu havia esquecido quão bruta e penetrante era a propaganda; os soviéticos nunca poderiam competir. Um juramento de lealdade para com todas as coisas americanas tornava-se um compromisso ideológico aos gigantes dos negócios: desde o negócio de armamentos e guerra (o qual consome 42 centavos de cada dólar hoje) ao negócio dos alimentos, conhecido como "agripower" (o qual recebe US$157 mil milhões por ano em subsídios do governo).


Barack Obama é a corporificação deste "ismo". Desde os seus primeiros tempos na política, o tema infalível de Obama tem sido não "mudança", o slogan desta campanha presidencial, mas o direito de a América dominar e ordenar o mundo. A partir dos Estados Unidos, afirmou ele, "conduzimos o mundo na batalha aos males imediatos e pela promoção do bem final... Devemos conduzir pela construção de uma força militar do século XXI para assegurar a segurança do nosso povo e o avanço da segurança de todos os povos". E: "Em momentos de grande perigo no século passado os nossos líderes asseguraram que a América, pelos feitos e pelo exemplo, conduzisse e levantasse o mundo, que nos sustivéssemos e combatêssemos pelas liberdades procuradas por milhares de milhões de pessoas para além das suas fronteiras".

Desde 1945, pelos feitos e pelo exemplo, os EUA derrubaram 50 governos, incluindo democracias, esmagaram 30 movimentos de libertação e apoiaram tiranias desde o Egipto até a Guatemala (ver histórias de William Blum). Bombardeamento é torta de maçã. Tendo apinhado o seu governo de belicistas, compadres da Wall Street e poluidores das eras Bush e Clinton, o 45º presidente está meramente a manter a tradição. A farsa dos corações e mentes que testemunhei no Vietname é hoje repetida em aldeias no Afeganistão e, por procuração, no Paquistão, as quais são guerras de Obama.


No seu discurso de aceitação do Prémio Nobel de Literatura de 2005, Harold Pinter notou que "todos sabem que terríveis crimes foram cometidos pela União Soviética no período do pós guerra, mas "os crimes dos EUA no mesmo período foram apenas superficialmente registados, muito menos documentados, muito menos admitidos, muito menos reconhecidos como crimes". É como se "isto nunca aconteceu. Nada alguma vez aconteceu. Mesmo enquanto estava a acontecer, não estava a acontecer. Você tem de apoiar a América... mascará-la como força para o bem universal. É um acto de hipnose brilhante, mesmo astuto, altamente bem sucedido".

Quando Obama enviou drones [1] para matar (desde Janeiro) uns 700 civis, distintos liberais rejubilaram porque a América é mais uma vez uma "nação de ideais morais", como Paul Krugman escreveu no New York Times. Na Grã-Bretanha, a elite viu há muito na excepcional América um lugar permanente para a "influência" britânica, embora como serviçal ou fantoche. O historiador pop Tristram Hunt diz que a América sob Obama é uma terra "onde os milagres acontecem". Justin Webb, até recentemente o homem da BBC em Washington, refere-se reverencialmente, um tanto como o coronel no Vietname, à "cidade sobre a colina".


Para além desta fachada de "intensificação do sentimento e degradação do signficado" (Walter Lippman), os americanos comuns estão a agitar-se talvez como nunca antes, como que a abandonar a deidade do "Sonho Americano" de que a prosperidade é uma garantia com trabalho árduo e parcimónia. Milhões de emails irados provenientes de pessoas comuns inundaram Washington, exprimindo uma indignação que a novidade de Obama não acalmou. Ao contrário, aqueles cujos empregos desapareceram e cujos lares são retomados vêem o novo presidente a premiar bancos desonestos e uma obesa força militar, no essencial a proteger o terreno de George W. Bush.

[1] Drones: Aviões sem piloto que os EUA estão a utilizar no Afeganistão e Paquistão para disparar mísseis contra populações civis.

LEIA O TEXTO COMPLETO EM
http://www.resistir.info/pilger/pilger_09jul09.html
O ORIGINAL ESTÁ AQUI
http://www.johnpilger.com/page.asp?partid=539

SINTO MUITO, ME PERDOE, TE AMO, SOU GRATO!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Todos são bem vindos, estamos aqui para compartilhar experiências que nos iluminem, mas, por força de impertinentes baixas vibrações planetárias sou obrigado a moderar os comentários. Para bons comentadores este pingo é letra. Sintam-se em casa. E muito grato pela lúcida carinhosa presença. Venham sempre que lembrarem, se gostarem divulguem, compartilhemos nossas descobertas.Sinto muito, me perdoe, vos amo, sou grato. A faxina é infinita.

Related Posts with Thumbnails